OS ACTIVOS TÓXICOS TÊM COISAS BOAS

A Vanessa desatou a falar com desenvoltura e optimismo sobre a crise internacional, o que me deixou atónita. " Subprime " para cá, activos tóxicos para lá. Quando caiu o mundo em cima de Wall Street e a fúria das nacionalizações atacou os gurus do neoliberalismo, fazendo do nosso querido Jerónimo de Sousa parecer de relance um social-democrata, vi-me e achei-me para assimilar a coisa. Ela não, ao que me disse.

- Eu passei toda a minha vida a gerir crises, montes de crises, crises familiares, crises financeiras, crises conjugais, crises emocionais, crises no emprego, crises no condomínio, crises de coluna. A crise é o meu elemento natural. Aliás, um tempo prolongado de estabilidade dá-me nervos.

- A estabilidade dá-te nervos?

A Vanessa olhou para mim com um ligeiríssimo toque de superioridade, aquele olhar que as pessoas que conhecem bem a vida reservam para deitar a todos os que julgam ser muito ingénuos. Só me faltava agora isto para compor o fim-de-semana.

- A estabilidade dá nervos a qualquer pessoa normal. Isto é das coisas que toda a gente que percebe alguma coisa da vida sabe.

Arrumou-me no canto esconso dos que não percebem nada disto. Não me importei. Ao fim e ao cabo, acho que efectivamente, e postas em análise algumas variáveis, percebo pouco.

- E então por que raio a estabilidade dá nervos? Não é essa a melhor coisa que uma pessoa, ou um sistema financeiro, espera atingir?

Resolvi arriscar, já que ali estava, e porque não tinha rigorosamente mais nada para fazer. Sempre me encantou a quantidade enorme de coisas idiotas que qualquer um de nós faz apenas porque tem tempo livre.

- Isso é absolutamente simples. Quando está submerso em estabilidade, um corpo (de uma pessoa ou de uma empresa) não tem nada para fazer. Anda para ali, num rame-rame, atulhado em tranquilidade e sossego, inclusivamente em alegrias, que são coisas bestialmente chatas. A instabilidade, por outro lado, desenvolve em nós aquelas maravilhosas capacidades do animal que tem que ir à guerra para sobreviver. Somos capazes de coisas fantásticas quando estamos infelizes.

Eu não tive capacidade para rebater e ela continuou, empenhadíssima nas alegrias da crise:

- Diz-se por aí muito mal do subprime . Mas eu, por exemplo, que passei a vida toda a hipotecar os neurónios a relações afectivas de subprime não tenho nada contra. É verdade que hipoteco o amor em activos tóxicos, mas até agora acho que nunca me arrependi, apesar de todas as bancarrotas que já tive que aguentar.

- Hipotecas o amor em criaturas tóxicas, vais à bancarrota e não te arrependes? (Oh, o meu eu conservador esbugalhado!)

- É evidente que não. A bancarrota puxa pelo animal acossado que existe em nós. Só os pactos de estabilidade me dão a sério cabo dos nervos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Benefícios fiscais para quê e para quem

São mais de 500 os benefícios fiscais existentes em Portugal. Esta é uma das conclusões do relatório do Grupo de Trabalho para o Estudo dos Benefícios Fiscais (GTEBF), tornado público na semana passada. O número impressiona por uma razão óbvia: um benefício fiscal é uma excepção às regras gerais sobre o pagamento de impostos. Meio milhar de casos soa mais a regra do que a excepção. Mas este é apenas um dos alertas que emergem do documento.

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la no ensino superior

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.