ESTÃO A DAR RAZÃO AO MARX

Horácio Roque não hesitou quando perguntei qual o melhor negócio da sua vida. Foi a venda de uma casa, que não era dele, em Luanda, em 1962. Após ter vendido a casa, foi comprá-la mais barata, para honrar o compromisso. A beleza desta operação consiste em ter feito um negócio lucrativo sem dinheiro. Neste negócio, o jovem Horácio, com 20 anos ainda por fazer, evidenciou um refinado raciocínio financeiro e uma vocação para banqueiro que cumpriria mais tarde (é o dono do Banif).

Na gramática financeira, vender um activo que não é nosso não é uma vigarice idêntica à de, por exemplo, vender a Torre Eiffel ao xeque Sulaiman Al-Fahim. Nada disso. Trata-se de uma operação respeitável que responde pelo nome de short selling e consta do menu básico de qualquer aprendiz de financeiro.

"Alavancar" é o santo e a senha da acelerada sofisticação da oferta de produtos financeiros. Os gurus da finança copiaram do Euromilhões o princípio básico da "alavancagem", que consiste na tentadora oferta de nos habilitarmos a ganhar uma fortuna (pequena, média ou grande), mobilizando apenas um pequeno pecúlio.

A única diferença é que no Euromilhões arriscamos apenas os dois euros da aposta básica, e quando fazemos short selling ou jogamos com derivados corremos o risco de ficar depenados. A crise financeira em curso há um ano, que conheceu esta semana desenvolvimentos dramáticos com a ida ao tapete da Lehman, é filha da sofisticação da "alavancagem" e a sua essência resume-se em 177 palavras.

No virar do século, o dinheiro estava em saldo e as famílias aproveitaram a oportunidade para se endividarem muito para além das suas possibilidades, para comprar não só casa mas também plasmas, móveis novos, portáteis, BMW e férias nas Caraíbas. O mercado imobiliário respondeu a esta pressão de acordo com a lei da oferta e da procura: entre 2000 e 2006, o preço das casas duplicou nos EUA. Para estar apto a continuar a alimentar a fornalha, a banca inventou um produto conveniente. Titularizou os créditos hipotecários e vendeu-os a fundos de pensões, bancos centrais, hedge funds, etc.

Os mais atentos viram que a coisa ia dar para o torto no final de 2006, quando começou a subir o preço do dinheiro e a descer o valor das casas que sustentavam este engenhoso castelo de cartas, assente em activos tóxicos, de pouca qualidade. As famílias deixaram de pagar as hipotecas e não demorou muito até ficarmos a saber que vivíamos uma crise baptizada com o enigmático nome de subprime , que torrou um bilião de euros à banca mundial.

Esta crise marca o fim da época dos eufóricos desvarios financeiros e prova que a auto-regulação é insuficiente. Entregues a si próprios, os mercados têm uma alarmante tendência suicida. Com a sua intervenção, a Reserva Federal norte-americana reconheceu que Keynes estava certo. Agora é urgente que o sistema financeiro recupere a credibilidade e não continue a dar razão a Marx, que teorizou que o capitalismo encerra em si o germe da sua destruição.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG