Caso BPP: constituídos mais dois arguidos

Paulo Guichard e Salvador Fezas Vital, dois ex-administradores do BPP, da equipa de João Rendeiro foram ontem constituídos arguidos, noticiou a SIC, indiciados de falsificação de contas, crimes fiscais e branqueamento de capitais

João Rendeiro foi esta semana constituído arguido e com os dois ex-administradores, suspensos pelo Banco de Portugal, elevam-se para quatro, os arguidos no "caso BPP", investigado pelo DIAP de Lisboa, sob a liderança de Maria José Morgado.

Mário Sampaio - um cliente do banco que supostamente terá sido usado como "testa-de-ferro" em operações financeiras em offshore foi o primeiro arguido.

No início de Junho, numa operação de busca, as autoridades ordenaram a apreensão de contas bancárias - que ascenderão a 50 milhões de euros - em nome dos ex-administradores, com o objectivo de evitar a delapidação de verbas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.