Oliveira e Costa ouvido durante sete horas no DCIAP

O ex-presidente do BPN Oliveira e Costa saiu hoje cerca das 22:00 das instalações do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) sem prestar declarações, depois de sete horas de interrogatório.

O advogado de Oliveira e Costa, Leonel Gaspar, disse aos jornalistas que "Oliveira e Costa veio no âmbito do processo pendente prestar declarações, porque entende que deve continuar a colaborar com a Justiça".

"Havia situações que necessitavam de ser esclarecidas", explicou o advogando, escusando-se a confirmar em que qualidade é que Oliveira e Costa foi ouvido pelo Ministério Público.

Oliveira e Costa chegou ao DCIAP numa carrinha celular depois das 14:30 e regressou da mesma forma ao estabelecimento prisional junto à Polícia Judiciária, onde está detido desde Novembro.

APN.

Lusa

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.