BPN: SLN diz que tem direito a indemnização do Estado

A Sociedade Lusa de Negócios (SLN) considera que tem direito a receber uma indemnização do Estado português pela nacionalização do BPN de há seis meses, segundo apurou a agência Lusa junto de fonte oficial do grupo.

"A nossa convicção é que existem valores a receber", revelou hoje à Lusa fonte oficial da SLN, acrescentando que "de certeza que, à data da nacionalização, aquele activo [BPN] valia mais do que zero".

A SLN sublinhou que tem informação que "o activo do banco está avaliado em 430 milhões de euros", adiantando que irá tomar uma posição "após uma análise cuidada".

O Ministério das Finanças revelou na quarta-feira que não vai indemnizar o anterior accionista único do BPN, a Sociedade Lusa de Negócios (SLN), pela nacionalização do banco de há seis meses.

"Considerando o valor negativo da situação patrimonial e financeira do BPN, apurado na sequência das avaliações realizadas, nos termos legais (artigo 5º, nº1 do regime jurídico da apropriação pública), por duas entidades independentes, o Ministro de Estado e das Finanças propõe-se determinar que não seja devida qualquer indemnização ao anterior accionista do BPN", anunciou em comunicado o Ministério das Finanças.

A Sociedade Lusa de Negócios (SLN), a antiga dona do BPN, pretende receber do Estado, como indemnização decorrente da nacionalização do banco, 403,8 milhões de euros, como revelou recentemente o actual presidente da empresa, Fernando Lima, na apresentação das contas da "holding", que teve prejuízos em trono do 170 milhões em 2008.

"A SLN foi [quarta-feira] informada que não tem nada a receber do Estado", confirmou fonte oficial do grupo, que adiantou ainda que vai aproveitar os 15 dias de que dispõe para analisar a questão e "depois pronunciar-se-á sobre o assunto".

DN.

Lusa

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.