Estado herda dívidas até 500 milhões do grupo SLN

BPN. Ao nacionalizar o banco, o Estado não herda apenas o "buraco" de 800 milhões de euros. Fica também com um volume de créditos do banco relativos às empresas do grupo da Sociedade Lusa de Negócios, que empregam mais de seis mil pessoas. Resta saber o que o Estado vai fazer: manter o financiamento às empresas, cortá-lo ou desfazer-se delas para compensar os custos.

O Estado vai ficar credor das empresas de Sociedade Lusa de Negócios (SLN) que têm dívidas de centenas de milhões de euros ao Banco Português de Negócios (BPN). De acordo com dados recolhidos pelo DN, a dívida dessas empresas ao banco oscilará entre os 300 e os 500 milhões de euros.

O BPN era o principal financiador destas operações, algumas em fase de arranque, embora não o único. Ao nacionalizar o BPN, o Estado ficará também com uma palavra muito importante a dizer sobre a continuidade da operação destas actividades que actuam em áreas que vão desde o imobiliário, até à saúde, passando pela agro-indústria, já que o banco, mesmo com os problemas financeiros e de solvabilidade, era o principal activo da SLN. Em causa está um universo de 150 participações que empregam cinco mil efectivos, excluindo os do banco.

Aliás, o efeito que a intervenção do Estado pode ter na viabilidade económica do Grupo Sociedade Lusa de Negócios foi sublinhado pelo ainda presidente do banco. Para Miguel Cadilhe, "o Governo veio criar ou agravar problemas no seu do grupo SLN", alertando ainda para o risco que pesa sobre 6500 trabalhadores. O Estado, conforme confirmou ao DN o Ministério das Finanças, só irá garantir os direitos e as responsabilidades do BPN para com os cerca de 1500 efectivos do banco.

O excesso de dependência destas actividades do banco e da exposição deste às empresas da Sociedade Lusa de Negócios já tinha sido identificado pela gestão de Miguel Cadilhe, que procurou limitar esta situação de duas formas no quadro do plano de recuperação do grupo. Por um lado, as empresas foram aconselhadas a procurar fontes alternativas de financiamento. Por outro , foram colocados à venda um conjunto de mais de 30 activos e participações de controlo ou minoritárias em empresas de vários sectores, onde se destacam o Grupo Português de Saúde, a Real Seguros, a Cimentos Nacional e Estrangeiros ou a OMNI.

Este processo coincidiu no entanto com o agudizar da crise financeira internacional, que limitou fortemente os capitais disponíveis para estas operações, situação que foi agravada pela nacionalização do maior activo da SLN, entretanto decidida pelo Governo.

No entanto, a venda destas participações pode contribuir para que o Estado recupere parte das perdas que agora assume ao nacionalizar o BPN, na medida em que os compradores podem assumir as dívidas destas empresas ao banco que agora é público.

Os negócios que estão à venda

AGRO-INDÚSTRIA

A SLN tinha cinco sociedades à venda, das quais as mais conhecidas são as casas de vinho espumante Murganheira e Raposeira, para além da Tapada de Chaves.

INDÚSTRIA

Com uma fábrica em Setúbal e um volume de negócios da ordem dos 40 milhões de euros em 2007, a cimenteira CNE era um dos principais activos à venda.

SAÚDE

O Grupo Português de Saúde é descrito como o segundo maior operador privado no sector com um volume de negócios de quase100 milhões de euros e parcerias público e privadas (PPP) assinadas com o Estado.

ACTIVOS EXCÊNTRICOS

Foram os activos que mais atenção despertaram depois de Miguel Cadilhe os ter classificado de excêntricos. Uma colecção de moedas comemorativa do Euro 2004 que o Banco de Portugal teria concordado em comprar por 40 milhões de euros e uma colecção de 80 peças de arte do pintor Joan Miró, avaliadas em 80 milhões. Este activo era uma garantia de um crédito não pago e terá agora passado para o Estado após a nacionalização do BPN.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.