Fernando Meira

Começou a jogar futebol ao serviço do Vitória Sport Clube, em Guimarães. Ingresou no Benfica em 2000 e hoje joga no Estugarda

Passou a infância na freguesia de Polvoreira, em Guimarães A mãe chegou a sonhar para ele com uma carreira na advocacia, mas hoje é o orgulho da família Ainda no ventre materno fartava-se de pontapear Depois, em menino, tudo o que via na rua era pontapeado

Os pontapés na bola não vêm só do tempo de meninice quando Fernando Meira chegava a "fugir" de casa para jogar, chutava tudo o que encontrasse na rua e "dava cabo do calçado todo". Já na barriga da mãe, Maria de Lurdes Silva, se fartava de pontapear. "Quando andava grávida, o meu marido já dizia que ele ia ser jogador", conta ao DN. E assim foi. Hoje é um craque da bola, apesar de a mãe ter sonhado para ele com a carreira de advocacia. Hoje, porém, Meira é o orgulho da família.

O internacional português passou a infância na freguesia de Polvoreira, em Guimarães, onde frequentou a escola primária. Mas dedicava o tempo todo ao futebol , pois, recorda a mãe, "o que encontrasse na rua tinha de chutar", acrescentando que até no quarto jogava, mas "com as bolas de ténis". Maria de Lurdes Silva lembra-se de o filho "ainda ter andado no karaté", mas "tinha o tempo muito ocupado" e "chegava a fugir só para jogar à bola".

Começou no Vitória Sport Clube com 8 anos. "Foi através do tio que foi para o Vitória", lembra a mãe. Depois, aos 11 anos, o defesa central mudou-se para a cidade vimaranense. Foi aqui que frequentou a escola até ao 10.º ano.

A mãe conta ainda que Fernando Meira, "quando era mais pequeno, adorava o Sporting. O Pedro Barbosa era o ídolo dele. Depois só via o Vitória", diz. "Tenho muito orgulho no homem e filho que ele é", acrescentando: "É amigo do amigo e as pessoas gostam muito dele".

Igual opinião tem Ricardo, que, aos 16 anos, olha para o irmão mais velho com orgulho: "Já fui com ele aos treinos em Estugarda. E via muita gente a pedir autógrafos".

Cidade germânica, onde, aliás, o jogador português se sente acarinhado pelos adeptos de futebol . "Sempre foi muito visto pela simpatia", reitera Ricardo, sustentando que "sempre que entra para os clubes, ele leva a honra à frente da personalidade".

Mas confessa: "Foi difícil crescer com um irmão assim, porque estava pouco com ele, pois não tinha tempo, tinha sempre treino". Mesmo assim, atira: "Era como um segundo pai para mim. Trazia sempre um presente quando vinha dos jogos da Selecção".

Ricardo realça ainda o facto de ser "uma alegria" jogar futebol com o irmão, pois não é todos os dias que se tem a oportunidade de jogar com um craque da bola. Ricardo não perde um jogo do irmão e descreve-o como brincalhão e como uma pessoa "nunca foi rapaz de andar na noite".

A jogar em casa

É caso para dizer que o internacional português Fernando Meira joga em casa. Tudo porque o defesa central português pertence ao plantel do Estugarda há já quatro anos, vivendo, por isso, em terras germânicas, onde conta com o apoio de milhares de emigrantes portugueses.

Aos 28 anos, Fernando Meira admite gostar de viver naquele país, onde se estreia este ano no Campeonato do Mundo FIFA, o que, desde logo, é uma mais-valia para a sua carreira.

Até à data, o camisola n.º 5 tem sido efectivo em todos os jogos do Mundial , com uma boa prestação em campo, fazendo dupla com Ricardo Carvalho. Exigiu um Mundial "prestigiante" para dedicar ao defesa central Jorge Andrade, ausente por lesão.

E foi em Marinfeld, local onde encontra a selecção portuguesa, que o futebolista recebeu a bandeira da cidade de Guimarães das mãos de um conterrâneo, o ciclista Romão Barbosa, depois de ter pedalado mais de dois mil quilómetros para apoiar a selecção.


Perfil

Pai de um menino de 6 anos e de uma menina de ano e meio, é descrito como sendo humilde

Nasceu a 5 de Junho de 1978

Começou a jogar no Vitória Sport Clube

Conta com 32 internacionalizações

Marcou dois golos ao serviço da selecção

Estreou-se na selecção nacional frente à Holanda, a 11 de Outubro de 2000

Fernando Meira, Defesa central

O defesa central Fernando Meira nasceu no Hospital Senhora de Oliveira, em Guimarães. Foi nesta cidade que se estreou no clube local - o Vitória Sport Clube - entre 1995 e 1998. Ano em que passou para o relvado do Felgueiras, onde se manteve até 1999, voltando então ao Vitória Sport Clube. Em 2000, ingressou no Benfica e, em 2002, voou para o Estugarda, na Alemanha. É na cidade com o mesmo nome que o português reside. Conta no currículo com dois golos na selecção nacional e com 32 partidas internacionais. A estreia na selecção ocorreu no jogo Holanda-Portugal, a 11 de Outubro de 2000. Versátil em campo, o nº. 5 da selecção das "Quinas" jogou três partidas nas eliminatórias para o campeonato do Mundo de 2006 e marcou o golo de abertura da vitória por 2-0 contra a Eslováquia em Junho de 2005. Também representou Portugal nos Jogos Olímpicos de 2004, em Atenas. Pai de um menino de 6 anos e de uma menina de um ano e meio, é descrito como simpático, humilde e brincalhão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)