Fernanda Ribeiro

Atletismo
Ouro (Atlanta, 1996 )
Bronze (Sydney, 2000)

Maria Fernanda Moreira Ribeiro, nasceu no dia 23 de Junho de 1969, em Novelas, Penafiel. O seu primeiro clube foi o Valongo, de Sousão. Em 1980, com apenas 11 anos, foi segunda classificada na meia maratona da Nazaré, tendo ficado a quatro segundos da primeira classificada: Rosa Mota.

Presente pela terceira vez em Europeus de juniores, Fernanda Ribeiro estava entre as favoritas dos 3000 metros. Bateu o recorde nacional de juniores com 8.56,33. Nos Mundiais de Gotemburgo Fernanda ganhou a medalha de ouro nos 10 mil metros. Esta vitória valeu-lhe um automóvel de marca Mercedes. Curiosamente na época nem sequer tinha carta de condução.

A 2 de Agosto de 1996 a atleta portuguesa protagonizava uma das mais emocionantes finais Olímpicas de todos os tempos nos 10 mil metros, em Atlanta. Ao entrar na última volta tinha 20 metros de atraso em relação à chinesa Wang Junxia e tudo parecia perdido. Mas na recta final Fernanda deixou o país sem fôlego ao ultrapassar a adversária. Portugal conquistava a sua única medalha de ouro em Atlanta e Fernanda Ribeiro fechava o ciclo de ouro: Campeã Europeia, Mundial e Olímpica dos 10 mil metros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...