Atlanta1996 - Os portugueses

ATLETISMO

100 metros (M)     Luís Cunha            72º
400m barreiras (M) Carlos Silva          20º
800 metros (M)     António Abrantes      33º
1.500 metros (M)   Luís Feiteira         22º
1.500 metros (M)   António Travassos     34º
1.500 metros (M)   Luís Jesus            39º
3.000m obst. (M)   Vítor Almeida         32º
3.000m obst. (M)   Eduardo Henriques     25º
5.000 metros (M)   Luís Jesus            30º
5.000 metros (M)   José Ramos            27º
10.000 metros (M)  Alfredo Brás          26º
10.000 metros (M)  Carlos Patrício       32º
10.000 metros (M)  Paulo Guerra          Desistiu
20km marcha (M)    José Urbano           31º
50km marcha (M)    José Magalhães        36º
Maratona (M)       António Pinto         14º
Maratona (M)       Domingos Castro       25º
Maratona (M)       Manuel Matias         46º
Salto c/ vara (M)  Nuno Fernandes        18º
Salto comprim. (M) Carlos Calado         24º
Triplo salto (M)   Carlos Calado         19º
100 metros (F)     Lucrécia Jardim       15ª
200 metros (F)     Lucrécia Jardim       17ª
800 metros (F)     Eduarda Coelho        26ª
1.500 metros (F)   Carla Sacramento       6ª
5.000 metros (F)   Ana Dias              32ª
10.000 metros (F)  Fernanda Ribeiro       1ª (OURO)
10.000 metros (F)  Conceição Ferreira    14ª
Maratona (F)       Albertina Dias        27ª
Maratona (F)       Manuela Machado        7ª
Maratona (F)       Albertina Machado     47ª
10km marcha (F)    Susana Feitor         13ª
Lançam. Disco (F)  Teresa Machado        10ª
Lançam. Peso (F)   Teresa Machado        23ª

CANOAGEM

K1 500 (M)         José Garcia           18º
K1 1.000 (M)       José Garcia           14º
K2 500 (M)         Joaquim Queirós       11º
                   Rui Fernandes
K2 1.000 (M)       Joaquim Queirós       13º
                   Rui Fernandes
C1 500 (M)         Silvestre Pereira     12º
C1 1.000 (M)       Silvestre Pereira     13º
K1 Slalom (F)      Florence Fernandes    22ª
K1 Slalom (M)      Aníbal Fernandes      30º

CICLISMO

Prova estrada (F)  Ana Barros            23ª
Prova estrada (M)  Nuno Marta            78º
Prova estrada (M)  Orlando Rodrigues     39º
Prova estrada (M)  Pedro Lopes           48º
Prova estrada (M)  Cândido Barbosa      112º
Prova estrada (M)  José Azevedo          Desistiu

EQUESTRE

Obstáculos (M)     António Vozone        70º
Obstáculos (M)     Miguel Faria Leal     60º

ESGRIMA

Espada (M)         Nuno Frazão           38º

FUTEBOL

Equipas (M)        Costinha               4º
                   Kenedy
                   Rui Bento
                   Emílio Peixe
                   Beto
                   Andrade
                   José Dominguez
                   Capucho
                   Paulo Alves
                   Afonso Martins
                   Rui Jorge
                   Nuno Espírito Santo
                   Luís Vidigal
                   Calado
                   Nuno Gomes
                   Hugo Porfírio
                   Litos
                   Dani
                   Nuno Afonso

GINÁSTICA

Artística (M)      Diana Teixeira        44ª

HALTEROFILISMO

59kg (M)           Nuno Alves            14º

JUDO

95kg (M)           Pedro Soares           9º
71kg (M)           Guilherme Bentes      2ª eliminatória
65kg (M)           Michel Almeida         9º
60kg (M)           Pedro Caravana        2ª eliminatória
56kg (F)           Filipa Cavalleri      1ª eliminatória

LUTA GREGO ROMANA

57kg (M)           David Maia            18º

NATAÇÃO

50m livres (M)     Paulo Trindade        40º
100m costas (M)    Nuno Laurentino       30º
200m costas (M)    Nuno Laurentino       29º
200m mariposa (M)  Diogo Madeira         25º
200m bruços (M)    José Couto            19º
1.500m livres (M)  Pedro Ferreira        31º
100m costas (F)    Maria Carlos Santos   22ª    
100m mariposa (F)  Ana Francisco         26ª
100m bruços (F)    Joana Soutinho        34ª
200m livres (F)    Ana Alegria           29ª
200m costas (F)    Petra Chaves          26ª
200m mariposa (F)  Ana Francisco         22ª
200m estilos (F)   Petra Chaves          33ª
400m livres (F)    Ana Alegria           37ª
4x100m estilos (M) Nuno Laurentino       Desqualificados
                   José Couto
                   Miguel Cabrita
                   Miguel Machado
4x100m estilos (F) Maria Carlos Santos   21º
                   Ana Francisco
                   Joana Soutinho
                   Ana Alegria

PENTATLO MODERNO

Individual (M)     Manuel Barroso        19º

REMO

Shell 4 (M)        João Fernandes         5º
                   António Fernandes
                   Henrique Baixinho
                   Samuel Aguiar

TÉNIS

Pares (M)          Bernardo Mota         1ª eliminatória
                   Emanuel Couto

TIRO

Carabina* (F)      Carla Ribeiro         48ª
Carabina** (F)     Carla Ribeiro         32ª
Carabina* (F)      Sara Antunes          47ª
Carabina** (F)     Sara Antunes          29ª
Com arco (M)       Nuno Pombo            1ª eliminatória
Armas caça*** (M)  João Rebelo           13º
Armas caça*** (M)  Manuel Silva          17º

* Carabina de ar comprimido a 10 metros.
** Carabina de ar comprimido a 50 metros, três posições.
*** Fosso olímpico.

VELA

Mistral (M)        João Rodrigues         7º
Mistral (F)        Catarina Fagundes     21ª
Europe (F)         Joana Pratas          25ª
Finn (M)           Vasco Batista         22º
Laser (M)          Vasco Serpa            7º
Star (M)           Diogo Cayolla         21º lugar
                   Miguel Costa
470 (M)            Nuno Barreto           3º (BRONZE)
                   Hugo Rocha

VOLEIBOL DE PRAIA

Equipas (M)        Miguel Maia            4º
                   João Brenha

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".