"Já há gente a afiar a faca e a comprar cachecóis checos"

Paulo Bento não esqueceu as críticas feitas à equipa e os jogadores da seleção nacional optaram por fazer 'black-out' em sinal de protesto.

Declarações do selecionador nacional, Paulo Bento, após a vitória por 2-1 sobre a Holanda, que "apurou" Portugal para os quartos de final do Euro 2012:

"O ponto mais alto da minha carreira ainda está para chegar, tenho uma carreira muito curta. Houve um senhor que disse que era preciso dez anos e dez mil horas de treino. Ainda me falta trajeto e aprender muita coisa. Se estou orgulhoso pela qualificação, estou! Fomos qualificados para os quartos de final a jogar bem e a reagir à adversidade, num dos grupos mais fortes em que a seleção esteve envolvida em fases finais."

"Se recuássemos no tempo e fizéssemos as contas em todas as fases finais, lembrava-mos que em 84 fomos apurados com cinco pontos, em 1996 com sete, com nove pontos em 2000, a única vez que isso sucedeu e agora fomos apurados com seis pontos. Seis pontos, com o semi-finalista do último mundial. Depois dá a sensação que somos uma cambada de incompetentes. Temos de aprender, mas já não temos de aprender tudo."

"Lembrei-me em não sair do campo para cumprimentar cada jogador e de dar uma palavra de apreço para os que não têm jogado. A promessa continua de pé, falarei de tudo quando acabar a nossa caminhada. Ela não acabou. Sei que alguns estavam desejosos que acabasse hoje. Foi assim com a Alemanha, foi assim com a Dinamarca, porque foram buscar tudo o que podia ser crítico em relação aos jogadores.

"Deixem-nos em paz, critiquem o treinador. Mas isto vai continuar. A grande maioria estará com uma felicidade imensa, outros estarão tristes. Mas já estarão outra vez a afiar as facas e a comprar cachecóis da Rep. Checa para ver se nós saímos."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG