Casos de doping na história dos Jogos Olímpicos de Verão

O primeiro grande escândalo de doping em Jogos Olímpicos foi protagonizado por Ben Johnson, em 1988, caso que o levou a perder o título de campeão dos 100 metros. Mas desde o México 1968 que existem controlos antidopagem: o número de casos e o tipo de substâncias detectadas tem variado consoante a evolução dos métodos usados pelos batoteiros e das técnicas usadas para os apanhar.


México 1968: 1 caso
-Hans-Gunnar Liljenwall (Sue), pentatlo moderno, alcoól
 
Munique 1972: 7 casos
- Aad van Den Hoek (Hol), ciclismo, coramina (estimulante)
- Bakhaava Buidaa (Mgl), judo, cafeína (estimulante)
- Jaime Huelamo (Esp), ciclismo, coramina (estimulante)
- Miguel Coll (Ptr), basquetebol, efedrina (estimulante)
- Mohamad Nasehi Ar Jomand (Ira), halterofilismo, efedrina (estimulante)
- Rick Demont (EUA), natação, efedrina (estimulante)
- Walter Legel (Aut), halterofilismo, efedrina (estimulante)
 
Montreal 1976: 11 casos
- Arne Norback (Sue), halterofilismo, agente anabolizante
- Blagoi Blagoev (Bul), halterofilismo, agente anabolizante
- Danuta Rosani (Pol), atletismo, agente anabolizante
- Dragomir Ciorosian (Rom), halterofilismo, agente anabolizante
- Lorne Leibel (Can), vela, fenilpropanolamina (estimulante)
- Mark Cameron (EUA), halterofilismo, agente anabolizante
- Paul Cerrutti (Mon), tiro, anfetaminas (estimulante)
- Petr Pavlasek (Chq), halterofilismo, agente anabolizante
- Phillip Grippaldi (EUA), halterofilismo, agente anabolizante
- Valentin Hristov (Bul), halterofilismo, agente anabolizante
- Zbigniew Kaczmarek (Pol), halterofilismo, agente anabolizante
 
Moscovo 1980: sem casos
 
Los Angeles 1984: 12 casos
- Ahmed Tarbi (Arg), halterofilismo, nandrolona (esteróide anabolizante)
- Anna Verouli (Gre), atletismo, nandrolona (esteróide anabolizante)
- Eiji Shimomura (Jap), voleibol, testosterona (esteróide anabolizante)
- Gianpaolo Urlando (Ita), atletismo, testosterona (esteróide anabolizante)
- Goran Pefferson (Sue), halterofilismo, nandrolona (esteróide anabolizante)
- Mahmoud Tarha (Lib), halterofilismo, nandrolona (esteróide anabolizante)
- Martti Vainio (Fin), atletismo, mestenolona (esteróide anabolizante)
- Mikiyasu Tanaka (Jap), voleibol, efedrina (estimulante)
- Serafin Grammatikopolous (Gre), halterofilismo, nandrolona (esteróide anabolizante)
- Stefan Laggner (Aut), halterofilismo, nandrolona (esteróide anabolizante)
- Tomas Johansson (Sue), luta, mestenolona (esteróide anabolizante)
- Vesteinn Hafsteinsson (Isl), atletismo, nandrolona (esteróide anabolizante)
 
Seul 1988: 10 casos
- Alexander Watson (Aus), pentatlo moderno, cafeína (estimulante)
- Alidad (Afg), lutas amadoras, furosemida (diurético/agente mascarante)
- Andor Szanyi (Hun), halterofilismo, estanazolol (esteróide anabolizante)
- Angel Genchev (Bul), halterofilismo, furosemida (diurético/agente mascarante)
- Ben Johnson (Can), atletismo, estanazolol (esteróide anabolizante)
- Fernando Mariaca (Esp), halterofilismo, pemolina (estimulante)
- Jorge Quesada (Esp), pentatlo moderno, propranolol (beta-bloqueante)
- Kalman Scengeri (Hun), halterofilismo, estanazolol (esteróide anabolizante)
- Kerrith Brown (Gbr), judo, furosemida (diurético/agente mascarante)
- Mitko Grablev (Bul), halterofilismo, furosemida (diurético/agente mascarante)
 
Barcelona 1992: 5 casos
- Bonnie Dasse (EUA), atletismo, clembuterol (agente anabolizante)
- Jud Logan (EUA), atletismo, clembuterol (agente anabolizante)
- Madina Biktagirova (Blr), atletismo, norefedrina (estimulante)
- Nijole Medvedieva (Lit), atletismo, mesocarbo (estimulante)
- Wu Dan (Chn), voleibol, estricnina (estimulante)
 
Atlanta 1996: 2 casos
- Iva Prandzheva (Bul), atletismo, metandienona (esteróide anabolizante)
- Natalya Shekhodanova (Rus), atletismo, estanazolol (esteróide anabolizante)
 
Sydney 2000: 10 casos
- Alexander Leipold (Ale), lutas amadoras, nandrolona (esteróide anabolizante)
- Andreea Raducan (Rom), ginástica, pseudoefedrina (estimulante)
- Andris Reinholds (Let), remo, nandrolona (esteróide anabolizante)
- Ashot Danielyan (Arm), halterofilismo, estanazolol (esteróide anabolizante)
- Fritz Aanes (Nor), lutas amadoras, nandrolona (esteróide anabolizante)
- Ivan Ivanov (Bul), halterofilismo, furosemida (diurético/agente mascarante)
- Izabela Drganeva (Bul), halterofilismo, furosemida (diurético/agente mascarante)
- Marion Jones (EUA), atletismo, tetrahidrogestrinona (esteróide anabolizante)
- Oyunbileg Purevbaatar (Mgl), lutas amadoras, furosemida (diurético/agente mascarante)
- Sevdalin Minchev (Bul), halterofilismo, furosemida (diurético/agente mascarante)
 
Atenas 2004: 25 casos
- Adrian Annus (Hun), lançamento do martelo, recusa em submeter a controlo
- Albina Khomich (Rus), halterofilismo, testosterona (esteróide anabolizante)
- Aleksey Lesnichiy (Blr), atletismo, clembuterol (esteróide anabolizante)
- Andrew James Brack (Gre), basebol, estanazolol (esteróide anabolizante) (esteróide anabolizante)
- Anton Galkin (Rus), atletismo, estanazolol (esteróide anabolizante)
- Aye Khine Nan (Myn), halterofilismo, agente anabolizante
- David Munyasi (Que), pugilismo, catina (estimulante)
- Derek Nicholson (Gre), basebol, diurético/agente mascarante
- Ekaterini Thanou (Gre), atletismo, renunciou após fuga ao controlo
- Ferenc Gyurkovics (Hun), halterofilismo, oxandrolona (esteróide anabolizante)
- Irina Korzhanenko (Rus), atletismo, estanazolol (esteróide anabolizante)
- Kostas Kenteris (Gre), atletismo, renunciou após fuga ao controlo
- Leonidas Sampanis (Gre), halterofilismo, testosterona (esteróide anabolizante)
- Ludger Beerbaum (Ale), hipismo (betametasona, glucocorticosteróide, usado no cavalo)
- Mabel Fonseca (Ptr), pugilismo, estanazolol (esteróide anabolizante)
- Maria Luisa Calle Williams (Col), ciclismo, heptaminol (estimulante) – desclassificação anulada pelo Tribunal Arbitral do Desporto, por considerar que o heptaminol foi fruto da transformação, nas análises laboratoriais, de isometepteno, componente do fármaco Neosaldina, tomado pela colombiana devido a uma dor de cabeça.
- Olena Olefirenko (Ucr), remo, etamivan (estimulante)
- Olga Shchukina (Uzb), atletismo, clembuterol (agente anabolizante) (esteróide anabolizante)
- Pratima Kumari (Ind), halterofilismo, agente anabolizante
- Robert Fazekas (Hun), atletismo, tentativa de manipulação de amostra
- Sanamacha Chanu (Ind), halterofilismo, furosemida (diurético/agente mascarante) (diurético)
- Sule Sahbaz (Tur), halterofilismo, agente anabolizante
- Viktor Chislean (Mdv), halterofilismo, agente anabolizante
- Wafa Ammouri (Mar), halterofilismo, agente anabolizante
- Zoltan Kecskes (Hun), halterofilismo, agente anabolizante
- Zoltan Kovacs (Hun), halterofilismo, recusa em fornecer amostras de urina
 
Pequim 2008: 21 casos 
- Adam Seroczynski (Pol), canoagem, clembuterol (agente anabolizante)
- Athanasia Tsoumeleka (Gre), atletismo, marcha, CERA (eritropoietina de acção prolongada)
- Bernardo Alves (Bra), hipismo, analgésico capsaicina (ao cavalo Chupa Chup)
- Christian Ahlmann (Ale), hipismo, analgésico capsaicina (ao cavalo Cöster),
- Courtney King (EUA), hipismo, anti-inflamatório Felbinac (ao cavalo Mythilus)
- Davide Rebellin, ciclismo, CERA (eritropoietina de acção prolongada)
- Denis Lynch (Ire), hipismo, Ireland, analgésico capsaicina (ao cavalo Lantinus)
- Do Thi Ngan Thuong (Vie), ginástica, furosemida (agente mascarante)
- Fani Halkia (Gre), atletismo, metiltrienolona (esteróide anabolizante)
- Igor Razoronov (Ucr), halterofilismo, nandrolona (esteróide anabolizante)
- Ivan Tsikhan (Blr), atletismo, lançamento do martelo, testosterona (esteróide anabolizante)
- Kim Jong Su (CrN), tiro, propanolol (beta-bloqueante)
- Lyudmila Blonska (Ucr), heptatlo, atletismo, metiltestosterona (esteróide anabolizante)
- Maria Isabel Moreno (Esp), ciclismo, eritropoietina (ou EPO)
- Rashid Ramzi, atletismo, 1500 metros, CERA (eritropoietina de acção prolongada)
- Rodrigo Pessoa (Bra), hipismo, anti-inflamatório nonivamida (ao cavalo Rufus)
- Stefan Schumacher (Ale), ciclismo, CERA (eritropoietina de acção prolongada)
- Tony André Hansen (Nor), hipismo, analgésico capsaicina (ao cavalo Camiro)
- Vadim Devyatovskiy (Blr), atletismo, lançamento do martelo, testosterona (esteróide anabolizante)
- Vanja Perisic (Cro), atletismo, 800m, , CERA (eritropoietina de acção prolongada)
- Yudelquis Contreras (RDom), halterofilismo, CERA (eritropoietina de acção prolongada)
 
Fontes: Arquivo DN; “The Complete Book of Summer Olympics”; AFP; Reuters

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".