O misterioso mundo dos No Name Boys

Diz-se que nasceram de uma divisão dos Diabos Vermelhos, em 1992, mas ficaram mais visíveis pelo comportamento politicamente incorrecto. Não gostam de intrusos, detestam jornalistas, por isso nunca foram vistos a fazerem declarações públicas sobre a claque, o Benfica ou outro assunto qualquer.

Em 1995 esse comportamento agudizouse quando um dos seus membros, Hugo Inácio, atirou um very-light que atravessou o Jamor de ponta a ponta até atingir mortalmente um adepto do Sporting, Rui Mendes. Este triste indidente deu-se na final da Taça de Portugal conquistada pelo Benfica (3-1), mas a festa teve de ser desviada do Estádio Nacional para o Estádio da Luz, devido à consternação.

A verdade é que até hoje ninguém arrisca dizer com exactidão se os No Name têm uma ideologia política como suporte, muito menos alguém se predispõe a afirmar quantos elementos tem a claque.

No passado, Manuel Vilarinho, então em campanha para a presidência do Benfica, já viu um jogo no meio da claque. Mas esse foi o único acto de uma figura ilustre do clube a ser conotado com o grupo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.