Presidentes do Sport Lisboa e Benfica

A presidência! Lugar ambicionado pelo prestígio eminente é, simultaneamente, um posto de grande responsabilidade, de trabalho e de sofrimento.

Trinta e três presidentes deram o melhor de si em prol do Sport Lisboa e Benfica. Apesar dos percursos terem histórias diferentes, praticamente todos passaram por vários lugares directivos, antecedendo a presidência e o à vontade necessários à chefia da direcção do clube. São os factos mais importantes no percurso individual desses 33 presidentes, uns mais outros menos queridos, que esta secção tenta sistematizar.

Desde os tempos do Sport Lisboa até aos dias de hoje, o Sport Lisboa e Benfica teve 33 presidentes da Direcção. Alguns foram mais importantes do que outros, consoante as épocas em que exerceram o cargo, os resultados desportivos que foram alcançados nas suas gerências ou o engrandecimento que proporcionaram aos diversos parques desportivos pelos quais foram passando os atletas benfiquistas ao longo de nove décadas.

Acreditamos, porém, que todos fizeram o máximo pelo Benfica e, sem o seu esforço, o mundo não conheceria de perto toda a grandiosidade que o clube encerra. A História encarregou-se de salientar alguns que sobressairam pelas suas virtudes e capacidades.

Esta secção não procura descrever as suas personalidade mas antes salientar, de uma forma resumida os seus currículos ao serviço do clube da águia. Os 33 presidentes são apresentados pela ordem que ocuparam a Direcção, um lugar geralmente ambicionado, mas que carrega em si uma responsabilidade muito grande, porque para se ser um bom presidente do SLB há que possuir uma estatura moral, psíquica e física fora do vulgar. Resumindo, deverá ter a alma de Cosme Damião e a vontade férrea de Ferreira Bogalho.

Lista de Presidentes

1º: José Rosa Rodrigues (1904-1905)
2º: Dr. Januário Barreto (1906)
3º: Luís Carlos de Faria Leal (1906-1908)
4º: João José Pires (1908-1910)
5º: Alfredo Alexandre Luís da Silva (1910-1911)
6º: António Nunes de Almeida Guimarães (1911)
7º: José Eduardo Moreira Sales (1912)
8º: Dr. Alberto Lima (1913-1915)
9º: Dr. José Antunes dos Santos Junior (1915-1916)
10º: Felix Bermudes (1916-1917/1930-1931/1945)
11º: Dr. Nuno Freire Themudo (1916-1917)
12º: Bento Mântua (1917-1926)
13º: Eng.º Alberto Silveira Ávila de Melo (1926-1930)
14º: Manuel da Conceição Afonso (1931-1932/1936-1938/1946)
15º: Vasco Rosa Ribeiro (1933-1936)
16º: Capitão Júlio Ribeiro da Costa (1938-1939)
17º: Dr. Augusto da Fonseca Júnior (1939-1944)
18º; António Afonso da Costa e Sousa (1945-1946)
19º: Brig. João Tamagnini de Sousa Barbosa (1947-1948)
20º: Dr. Mário Lampreia de Gusmão Madeira (1949 -1951)
21º: Joaquim Ferreira Bogalho (1952-1956)
22º: Engº Maurício Vieira de Brito (1957-1961)
23º: Dr. António Carlos Cabral Fezas Vital (1962-1963)
24º: Adolfo Vieira de Brito (1964/1967-1968)
25º: Dr. António Catarino Duarte (1965)
26º: José Ferreira Queimado (1966 / 1977-1980)
27º: Dr. Duarte António Borges Coutinho (1969-1976)
28º: Fernando Martins (1981-1987)
29º: João Maria dos Santos Júnior (1987-1992)
30º: Jorge Artur Rego de Brito (1992-1994)
31º: Manuel Damásio Soares Garcia (1994-1997)
32º: Dr. João A. de Araújo Vale e Azevedo (1997-2000)
33º: Dr. Manuel Lino Rodrigues Vilarinho (2000-2003)
34º: Luís Filipe Vieira (2003 - ?)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.