Grandes cheias

A região de Lisboa já foi afectada por duas grandes inundações. Em 1967, 700 pessoas morreram em Loures, Odivelas e Alenquer. Quase 16 anos depois, as chuvas voltaram a fazer estragos e a causar a morte de 10 pessoas.

1983
 
Dez pessoas morreram e 1800 famílias ficaram sem casa durante as cheias de 18 de Novembro, que atingiram os concelhos de Lisboa, Loures e Cascais.

1997

As chuvas intensas que caíram no Baixo Alentejo, na noite de 6 de Novembro, provocaram a morte a 11 pessoas e deixaram 200 famílias desalojadas.

1979

As cheias de Fevereiro duraram nove dias e afectaram sobretudo a região de Santarém. Duas pessoas morreram, 115 ficaram feridas e e 1187 desalojadas.

1967

Mais de 700 pessoas morreram nas cheias que, no dia 25 de Novembro , apanharam desprevenidas as populações que viviam na região da Grande Lisboa.

1962

Inundações afectam Norte e Centro do País, fazendo transbordar o Mondego e o Douro, tendo neste rio ocorrido a segunda maior cheia do século XX.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.