Imagem de Pessoa menino vendida por dez mil euros

O segundo leilão de imagens dos séculos XIX e XX, no CCB, rendeu 31 mil euros, com a fotografia do poeta a atingir um valor inesperado. As licitações e compras online foram uma novidade. Menos de 24 horas depois, a referência internacional de cotação das fotografias portuguesas já constava nos sites da especialidade. O próximo leilão apostará no fotojornalismo

A fotografia de Fernando Pessoa em criança, enviada de Durban, na África do Sul, à sua "querida tia Lisbella" com dedicatória, foi vendida por 10 586 euros no leilão de quinta-feira à noite, no Centro Cultural de Belém, atingindo o valor mais elevado na praça.


Com uma base de licitação de 800 euros, "o lote obteve um valor histórico em Portugal e um recorde absoluto em leilão de fotografia, o que é normal por se tratar de uma peça excepcional. Não sei se haverá mais fotografias destas", revelou ao DN Luís Trindade, da Potássio Quatro (P4), a empresa organizadora do evento.


A segunda peça mais renhidamente licitada foi uma edição do Secretariado de Propaganda Nacional, Portugal 1934, que "disparou" de 300 euros para 1581 euros. Em terceiro lugar surge um Álbum de África com 49 imagens e monograma do Rei D. Carlos (ver foto), adquirida por 1265 euros por um estrangeiro.


De resto, neste segundo leilão de imagens dos séculos XIX e XX (o primeiro decorreu em Abril e o terceiro será em 2007, para a fotografia contemporânea e fotojornalismo ) foi possível adquirir fotografias a preços variados, desde um euro. 


O coração decide


O leilão rendeu cerca de 31 mil euros, com 61 por cento de lotes vendidos, disse Luís Trindade, embora durante o dia de ontem ainda tenham sido transaccionadas algumas espécies por quem não pôde estar na noite anterior. "Nestes leilões de fotografias não há lugar para grandes investimentos. O que funciona aqui é o coração", comentava ao DN um dos coleccionadores presentes no leilão, que, apesar de não ter sido muito concorrido, contabilizou 59 compradores entre os lotes negociados.


Uma criança, filha do pregoeiro, iniciou simbolicamente o leilão, licitando a foto antiga (Estúdio Camacho) de uma criança, arrematada por 22 euros e depois oferecida à menina de luvas brancas por um coleccionador. Houve também ofertas por telefone e online, em tempo real, tendo- -se vendido sete lotes pela Net.


O espólio de Moses Bensabat Amzalak (1892-1978), antigo presidente da comunidade israelita de Lisboa, esteve sob disputa (foi adquirido ao telefone por 1150 euros), assim como a fotografia do desembarque da rainha D. Maria Pia no Terreiro do Paço em 1862 (comprada por 299 euros). Já a fotografia da rainha D. Amélia junto às pirâmides do Egipto, em 1903 (atribuída a Enrique Casanova) não suscitou interesse, apesar da expectativa.


As fotografias de políticos e desportistas não tiveram a receptividade desejada. A de Vasco Gonçalves foi comprada por 15 euros e a de Álvaro Cunhal por cinco. As imagens dos futebolistas Eusébio e Coluna nos anos 60 foram retiradas, assim como outras preciosidades do mundo da bola.


O balanço do leilão foi positivo para a P4, jovem empresa que está a especializar-se em leilões e promete para breve licitar discos em vinil e peças de design.

Luís Trindade referiu ontem ao DN: "Foi com grande orgulho que já vi inseridos, em resultado do leilão, os preços de referência internacional de cotação da fotografia portuguesa no site artprice.com."


Mais Notícias

Outros conteúdos GMG