Volkswagen autorizada a reparar mais 2,6 milhões de automóveis

Fabricante alemã quer reparar carros a gasóleo com motor de 1,6 litros. Clientes vão ser notificados nas próximas semanas

A Volkswagen recebeu autorização da Autoridade Federal do Transporte Automóvel alemã para avançar com a reparação dos modelos de carros a gasóleo com motor de 1,6 litros, segundo uma declaração divulgada esta sexta-feira pelo construtor automóvel.

A aprovação vai permitir à multinacional "reparar 2,6 milhões de automóveis" que foram afetados pela manipulação técnica das emissões poluentes de veículos a gasóleo da marca automóvel alemã na Europa, refere a agência financeira Bloomberg, citando a declaração do grupo Volkswagen.

Os clientes que adquiriram os veículos vão ser notificados sucessivamente nas próximas semanas, podendo marcar, então, uma visita às oficinas para que a situação seja reparada.

Cerca de 8,5 milhões de carros foram afetados pela manipulação técnica das emissões poluentes em toda a Europa, de um total de 11 milhões a nível mundial.

Antes, a Autoridade Federal do Transporte Automóvel alemã já tinha aprovado a reparação de 5,6 milhões de modelos do grupo Volkswagen com motores de 1,2 litros e de dois litros, tendo então exigido apenas a reparação do 'software' nos sistemas de controlo de poluição.

Entretanto, a Associação Portuguesa para a Defesa dos Consumidores (Deco) avançou com um processo judicial contra a Volkswagen.

A notícia foi confirmada à agência Lusa pelo responsável da Deco Bruno Santos.

"Avançámos [com um processo judicial] devido à diferença insuportável de tratamento entre consumidores europeus e norte-americanos", explicou o responsável.

Para os consumidores norte-americanos a Volkswagen "disponibilizou já dez mil milhões de dólares [cerca de nove mil milhões de euros] para compensações diretas pelos danos causados pela fraude que provocou", disse.

Em relação à intervenção técnica para corrigir o problema, a Deco afirmou então ser "absolutamente ineficaz", de acordo com testes que realizou, exigindo explicações à marca por obrigar os consumidores a levar os carros às oficinas apesar de nada ficar resolvido.

"Estamos perante um processo com uma falta de transparência total", disse o mesmo responsável à Lusa, ao referir-se ao número de veículos já reparados em Portugal.

"Há números da própria Volkswagen que dizem estar reparados 50 mil carros, ora dizem estarem reparados dez mil e que há resolução para 26 mil. Há uma confusão muito grande", sustentou.

Bruno Santos referiu ainda o grupo de trabalho criado pelo anterior governo que, de acordo com informações do Ministério da Economia, "continuará a trabalhar, mas não se vê nada desse trabalho desde o relatório preliminar", publicado entre novembro do ano passado e janeiro deste ano.

"Os consumidores que foram enganados são claramente o elo mais fraco desta confusão e a marca alemã deve tratar os consumidores da mesma maneira. Não há consumidores de primeira e de segunda, e os consumidores europeus têm que ser compensados pela fraude sofrida e deliberada da Volkswagen", concluiu.

A Deco apresentou a ação contra o fabricante alemão, a SIVA (importador português das marcas Volkswagen, Audi e Skoda), a SEAT e a Volkswagen espanhola.

Do universo de marcas que representa (Volkswagen, Audi e Skoda), a SIVA pensa existirem cerca de 102 mil veículos portugueses afetados.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.