Vítor Bento: em 5 anos nenhum dos grandes bancos portugueses será nacional

Economista e conselheiro de Estado, que foi primeiro presidente do Novo Banco, falou no Fórum Empresarial do Algarve

O economista Vítor Bento estimou hoje que dentro de três a cinco anos nenhum dos grandes bancos portugueses será nacional e sublinhou que não conhece nenhuma economia desenvolvida na qual o sistema bancário esteja nas mãos de estrangeiros.

"Eu neste momento estimo que nos próximos três a cinco anos nenhum dos grandes bancos portugueses é nacional", afirmou, alertando para que essa situação reflete as "consequências estratégicas das opções macroeconómicas que vão condicionar o futuro do país" e a sua capacidade de desenvolvimento.

O economista e conselheiro de Estado falava durante a conferência "Futuro, que reformas", que juntou no mesmo painel João César das Neves e Murteira Nabo e que hoje abriu o segundo dia do Fórum Empresarial do Algarve, que decorre até domingo num hotel em Vilamoura sob o tema "2020, Portugal e o mundo".

De acordo com Vítor Bento, enquanto não se perceber as consequências "que as más políticas económicas têm, nós vamos alienando o nosso futuro e daqui por uns anos temos aqui uma economia completamente subsidiária onde os centros de decisão do país estão fora do país, pelo menos os económicos".

O economista - que foi o último presidente do BES e o primeiro do Novo Banco -, recordou os casos do BES, PT, Fidelidade, Cimpor, ANA, EDP e REN para ilustrar que Portugal perdeu o controlo nacional de várias empresas, mas que ainda não se percebeu "que isto é uma consequência da política macroeconómica".

O também economista João César das Neves aproveitou a ocasião para estabelecer uma ligação para o campo político, sugerindo quer vai haver uma compra do nosso modelo político pelo estrangeiro, referindo que é o que acontece na Grécia, onde qualquer partido que suba ao poder, quem governará realmente será a Europa.

"Parece-me que o mais provável que nós teremos é uma cooptação do nosso modelo de negócio pela Europa, que depois vai mandar aqui com todos os problemas horríveis que isso tem", afirmou.

Questionado pelos jornalistas à margem da sessão, o presidente da Confederação da Indústria Portuguesa (CIP), António Saraiva, considerou que seria "desastroso" para o país se a estimativa de Vítor Bento, de o país deixar praticamente de ter bancos nacionais, se se confirmar.

"Se aqueles que podem alimentar a economia não o fizerem eficazmente e dependermos de terceiros, até em termos geopolíticos isso terá seguramente desafios para os quais não estamos devidamente preparados", referiu António Saraiva.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.