Vendas de carros a gasóleo caem 7,7% num ano

Quota de mercado dos diesel caiu para 53% nos primeiros quatro meses deste ano. Há cinco anos, valiam 76,8%. Governo estuda fim de incentivos fiscais a carros poluentes

Os portugueses estão a comprar cada vez menos carros a gasóleo. Nos primeiros quatro meses do ano, venderam-se 45 178 diesel, menos 3764 (-7,7%) do que no mesmo período do ano passado. Pelo contrário, foram registados 34 130 carros a gasolina, mais 7242 (+26,9%), segundo os números da Associação Automóvel de Portugal (ACAP). O escândalo das emissões, as restrições à circulação de carros a gasóleo em muitas das grandes cidades da Europa e o boom dos carros elétricos, com maior autonomia e mais acessíveis, explicam a queda.

"Hoje já assistimos a uma redução clara da procura de automóveis a diesel. A tendência irá manter-se e eventualmente acelerar", reconhece fonte oficial da Renault.

A quota de mercado dos carros a gasóleo caiu para os 53,3% nos primeiros quatro meses deste ano; em 2017, no mesmo período, os diesel novos representavam 62,2%. Há apenas cinco anos, três em cada quatro carros eram a gasóleo (76,8%). E a quebra vai agravar-se: apenas 15% dos carros novos em 2030 serão diesel, prevê o relatório Cepsa Energy Outlook 2030. Nesse ano, os carros a gasolina deverão representar entre 30% e 35% do mercado, ainda assim, abaixo dos 40,3% verificados entre janeiro e abril deste ano. Saem a ganhar os híbridos (35%) e os elétricos (15%).

Apesar destes sinais, "as notícias da morte do diesel são obviamente exageradas", defende a SIVA. "É uma tecnologia muito evoluída e que tem largos anos à sua frente no mercado europeu", garante a importadora da Volkswagen, Audi e Skoda em Portugal. A empresa diz mesmo que os motores a gasóleo "vão continuar a assegurar grande parte das vendas do Grupo VW nos próximos anos", embora considere que "os pequenos motores a gasolina possam vir a crescer no mercado mais rapidamente".

A comissária europeia para a Indústria tem outra visão. "Os carros a gasóleo estão acabados. Penso que em alguns anos vão desaparecer completamente. Esta é uma tecnologia do passado", reconheceu Elzbieta Bienkowska à agência Bloomberg.

A Renault recorda que "o consumo de automóveis a diesel foi incentivado nos últimos anos, através de deduções fiscais nestes veículos para empresas ou através do preço dos combustíveis".

O governo, tendo isso em conta, criou, em março, um grupo de trabalho para estudar o fim de incentivos fiscais prejudiciais ao ambiente, coordenado pelo ministro adjunto, Pedro Siza Vieira. Para já, estão a ser recolhidas as propostas junto dos ministérios das Finanças, Economia e Ambiente, afirmou ao DN/Dinheiro Vivo fonte oficial deste gabinete. O relatório com as propostas de medidas será entregue até 31 de julho de 2018.

Os carros elétricos são apontados como a solução de mobilidade mais viável para as próximas décadas, mas faltam incentivos e medidas, reclamam as marcas.

A Renault diz que "é urgente a introdução do pagamento nos postos de carregamento públicos" - que só deverá ocorrer no segundo semestre. A SIVA pede mais "incentivos de conveniência", que passem pela "discriminação positiva para a utilização de carros elétricos". A ACAP quer mais incentivos para a compra de veículos elétricos.

Atualmente, existe um apoio público de 2250 euros para a compra de automóveis elétricos, atribuído pelo Fundo Ambiental e que está limitado aos primeiros mil pedidos. Em cinco meses, mais de metade dos "cheques" (579) já foi entregue e não está previsto, para já, o reforço destes incentivos.

O reinado dos carros a diesel não vai acabar tão cedo, pelo menos em Portugal: os híbridos e elétricos representaram apenas 6,4% do mercado automóvel nacional. E a ACAP tranquiliza quem quiser comprar um carro a gasóleo agora: "Não há risco de desvalorização. Estes carros vão poder continuar a ser utilizados, sobretudo fora do centro de Lisboa e do Porto".

"A desvalorização dos carros a gasóleo usados não é acentuada. Ainda são os que têm maior procura", garante o StandVirtual.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.