Trump autoriza recurso às reservas de petróleo após ataque a refinaria saudita

Presidente norte-americano diz que o objetivo é manter os mercados abastecidos, depois de o ataque com drones no sábado ter cortado em metade a capacidade de produção da Arábia Saudita.

O presidente norte-americano, Donald Trump, autorizou o recurso à Reserva Estratégica de Petróleo (a maior reserva de emergência do mundo com capacidade para 727 milhões de barris) para colmatar os efeitos do ataque à refinaria da Aramco, na Arábia Saudita.

"Com base no ataque à Arábia Saudita, que poderá ter um impacto no preço do petróleo, autorizei a libertação de petróleo da Reserva Estratégica de Petróleo, se for necessário, numa quantidade que precisa ser determinada suficiente para manter os mercados abastecidos. Também informei todas as agências apropriadas para acelerarem a aprovação para os oleodutos que atualmente estão em fase de aprovação no Texas e vários outros estados", escreveu em duas mensagens no Twitter.

Noutra mensagem no Twitter, Trump deixa o aviso: "O fornecimento de petróleo da Arábia Saudita foi atacado. Temos razões para acreditar que conhecemos o culpado, temos as munições carregadas dependendo da verificação, mas estamos a esperar para a ouvir do Reino quem acreditam ter sido responsável por este ataque e de que forma devemos continuar."

A petrolífera estatal saudita, Aramco, foi forçada a cortar a sua produção para metade (isto é, menos 5,7 milhões de barris por dia) após um ataque com drones à maior refinaria do mundo e ao segundo maior campo de petróleo do país. O ataque foi reivindicado pelos rebeldes houthis, no Iémen, mas sauditas e norte-americanos apontaram o dedo ao Irão.

Por causa do ataque, especialistas estimaram que o preço do petróleo pudesse subir 10 dólares na abertura dos mercados. A abertura das bolsas na Ásia viu os preços subirem 19% -- só em Singapura, por exemplo, os preços subiram quase 12 dólares, para os 71,95 dólares por barril.

Exclusivos