Taxa turística de um euro cobrada em Cascais a partir de hoje

Câmara estima receber já este ano pelo menos 1,2 milhões de euros

A taxa turística de um euro por dormida em Cascais entra hoje em vigor, com a Câmara Municipal a estimar já para este ano uma receita mínima de 1,2 milhões de euros.

Depois de ter gerado polémica em algumas unidades hoteleiras de Cascais, a aplicação da taxa turística no concelho, no distrito de Lisboa, acabou por ser aprovada pela maioria PSD/CDS e com votos favoráveis de elementos da oposição na Câmara Municipal.

Inicialmente a cobrança proposta era de 1,5 euros, mas o valor ficou definido em um euro por dormida, até um máximo de cinco noites.

"[Os 1,2 milhões são] o valor mínimo que esperamos, porque estamos a basear-nos nas reservas de hotéis, mas ainda faltam dos hostels e outras unidades", sublinhou o vice-presidente do município, Miguel Pinto Luz.

Segundo dados da câmara, em 2016 houve 1,2 milhões de dormidas nos estabelecimentos do concelho.

A proposta de aplicação de taxa turística em Cascais, semelhante à que já é praticada em Lisboa, foi feita pela Associação de Turismo local.

Em outubro de 2016, quando a proposta foi conhecida, a Associação de Diretores de Hotéis de Portugal e a Associação Regional dos Hoteleiros da Costa do Estoril, Sintra, Mafra e Oeiras manifestaram-se contra a aplicação dessa taxa.

Aquando da discussão sobre se se avançava com a medida, o presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, explicou que as receitas provenientes do jogo - do Casino do Estoril - têm vindo a sofrer um corte substancial e, por isso, seria necessário procurar investimento para promover o concelho.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.