Sonae implementa medidas para igualdade de género nos próximos dois anos

No total de efetivos, o grupo dono do Continente refere que "o percentual de mulheres é significativamente superior (64%) face ao dos homens (36%)", mas admite que nos "níveis estratégico/gestão, associados ao exercício de funções de liderança", o "género feminino" está "sub-representado"

A Sonae definiu um conjunto de medidas, para aplicar entre 2020 e 2021, no âmbito de um plano para a igualdade de género na empresa e que inclui o desenvolvimento de gestão de carreiras que apresentem um género sub-representado.

Num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o grupo da Maia, dono do Continente, adiantou que "definiu e priorizou um plano de intervenção multinível, que inclui ações já em curso, assim como iniciativas a implementar no curto e médio prazo".

Para a sociedade, "o foco é colocado, ao nível das políticas de gestão de pessoas, das lideranças responsáveis pela sua execução, do acompanhamento da sua implementação, bem como no alinhamento em matéria de comunicação institucional".

A Sonae reconhece que levou a cabo um "autodiagnóstico", que ditou as medidas que deveriam ser implementadas.

"No total de efetivos da Sonae, o percentual de mulheres é significativamente superior (64%) face ao dos homens (36%). Esta distribuição é suportada pelo nível operacional, invertendo-se para os níveis estratégico/gestão, associados ao exercício de funções de liderança, onde o género feminino se encontra sub-representado", referiu a sociedade.

As medidas que o grupo empresarial quer implementar

Entre as medidas previstas conta-se "encorajar a candidatura e seleção de homens ou mulheres para funções/profissões onde estejam sub-representados(as)", bem como "garantir a implementação contínua de 'short lists' de candidatos 50:50 no recrutamento de posições de liderança", lê-se no documento.

A Sonae pretende ainda, nos próximos dois anos, "desenvolver programas de gestão de carreira para o género sub-representado, compreendendo um acompanhamento específico mais personalizado", indicou a sociedade.

O grupo vai também "desenvolver e implementar sessões formativas, ações de sensibilização e iniciativas de 'mentoring'[orientação] que preparem os líderes para gerir a diversidade das equipas e igualdade de género", entre muitas outras medidas, de acordo com o comunicado.

A sociedade garante ainda que irá monitorizar a implementação do plano, nomeadamente com a "criação de um comité de reflexão permanente e dedicado no seio do Grupo Consultivo de Recursos Humanos, dotado de competências multidisciplinares, que deverá assumir um papel ativo no debate e partilha de tendências e boas práticas no âmbito da igualdade de género, assim como na promoção, sensibilização e monitorização das ações concretas de melhoria, garantindo visibilidade na organização sobre o tema".

Exclusivos

Premium

Rogério Casanova

Arquitectura fundida

Uma consequência inevitável da longevidade enquanto figura pública é a promoção automática a um escalão superior de figura pública: caso se aguentem algumas décadas em funções, deixam de ser tratadas como as outras figuras públicas e passam a ser tratadas como encarnações seculares de sábios religiosos - aqueles que costumavam ficar quinze anos seguidos sentados em posição de lótus a alimentar-se exclusivamente de bambu antes de explicarem o mundo em parábolas. A figura pública pode não desejar essa promoção, e pode até nem detectar a sua chegada. Os sinais acumulam-se lentamente. De um momento para o outro, frases suas começam a ser citadas em memes inspiradores no Facebook; há presidentes a espetar-lhes condecorações no peito, recebe convites mensais para debates em que se tenciona "pensar o país". E um dia, subitamente, a figura pública dá por si sentada à frente de uma câmera de televisão, enquanto Fátima Campos Ferreira lhe pergunta coisas como "Considera-se uma pessoa de emoções?" ou "Acredita em Deus?".

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Ler e/ou escrever

Há muitos anos, recebi um original de ficção de uma autora estreante que pedia uma opinião absolutamente sincera sobre a sua obra. Designar por "obra" o que ainda não devia passar de um rascunho fez-me logo pensar em ego inflamado. Por isso decidi que, se a resposta fosse negativa, não entraria em detalhes, sob o risco de o castelo de cartas cair com demasiado estrondo. Comecei pela sinopse; mas, além de só prometer banalidades, tinha uma repetição escusada, uma imagem de gosto duvidoso, um parêntese que abria e não fechava e até um erro ortográfico que, mesmo com boa vontade, não podia ser gralha. O romance propriamente dito não era melhor, e recusei-o invocando a estrutura confusa, o final previsível, inconsistências várias e um certo desconhecimento da gramática.

Premium

João Lopes

A última tentação cinéfila

O ator Willem Dafoe é um dos homenageados do Lisbon & Sintra Film Festival: entre os seus títulos mais emblemáticos inclui-se A Última Tentação de Cristo, de Martin Scorsese, filme gerado num contexto de produção de Hollywood que já não existe.O ator Willem Dafoe é um dos homenageados do Lisbon & Sintra Film Festival: entre os seus títulos mais emblemáticos inclui-se A Última Tentação de Cristo, de Martin Scorsese, filme gerado num contexto de produção de Hollywood que já não existe.