Sócios da Órbita procuram novo acionista

Este mês houve 50 trabalhadores que rescindiram contrato com a empresa de bicicletas de Águeda. Rescisão da Emel deixa empresa em causa.

“É um filme de terror. Nunca pensamos que a Órbita acabasse assim”. Quem o diz é Vítor Santos, ex-trabalhador da Miralago, a casa-mãe da empresa de bicicletas de Águeda, onde chegou a cumprir 42 anos de casa. Foi um dos 50 trabalhadores que já em abril rescindiu contrato por justa causa, ao acumular três meses de salários por pagar. Uma situação inédita, garante, durante os mais de 40 anos em que trabalhou para o fundador, Aurélio Ferreira e o irmão, Manuel: “Nunca, mas rigorosamente nunca, houve qualquer atraso nos pagamentos”, garante.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.