Rendimento das famílias na zona euro recua 0,2% no 4.º trimestre de 2016

Números são do Eurostat

O rendimento real 'per capita' do agregado familiar na zona euro recuou 0,2% no quarto trimestre de 2016, depois de ter crescido quer 0,2% no período homólogo, quer no trimestre anterior, divulgou hoje o Eurostat.

Ainda segundo o gabinete de estatísticas da União Europeia (UE), nos países da zona euro, o consumo 'per capita' aumentou entre outubro e dezembro de 2016, com uma variação positiva de 0,1%, após uma subida de 0,4% no trimestre anterior e de uma estabilização no período homólogo.

Quanto ao conjunto dos 28 Estados-membros da UE, o rendimento real por habitante aumentou 0,5% no quarto trimestre do ano passado, em linha com o período homólogo de 2015 e acima dos 0,1% do anterior.

O consumo 'per capita' aumentou 0,3%, a mesma taxa que entre outubro e dezembro de 2015 e abaixo dos 0,8% registados no terceiro trimestre de 2016.

O consumo real dos agregados familiares por habitante é definido como o rendimento bruto ajustado das famílias dividido pela população total.

O consumo real é definido como o consumo final dos agregados familiares, em termos nominais, dividido pela população total.

A ambos os indicadores são ainda aplicados os índices de preços.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.