Receitas da Apple desceram pela primeira vez em 13 anos

Vendas do iPhone no último trimestre foram relativamente baixas. Ações da empresa americana caíram 7,8%

O gigante da tecnologia Apple viu as suas receitas no primeiro trimestre do ano reduzirem-se, comparativamente aos três meses anteriores, comunicou a empresa americana esta terça-feira. Uma curva descendente que há 13 anos não acontecia na companhia.

O mercado já esperava resultados relativamente estagnados de parte da empresa da maçã, no entanto o decréscimo de 13% nas receitas obtidas - 50,6 mil milhões de dólares, contra 52 mil milhões no trimestre anterior - foi superior ao que muitos investidores esperavam.

Em consequência, as ações da Apple foram penalizadas em bolsa, caindo 7,8%, para 95,99 dólares - bem abaixo da barreira psicológica dos 100 dólares.

Escreve o Financial Times esta terça-feira que já se previa que o período em causa, o trimestre que terminou a 26 de março, fosse um ponto baixo na história recente da empresa, pois as vendas dos seus telemóveis estão praticamente estagnadas.

A Apple anunciou que vendeu, nos três primeiros meses, 51,2 milhões de iPhones, cerca de 10 milhões menos do que no período homólogo do ano anterior.

Ainda que o número de unidades vendidas esteja em linha com o previsto - ou até um pouco acima de algumas expetativas, segundo o FT - as receitas decresceram mais do que esperado, com muitos consumidores a procurarem modelos mais baratos.

Ainda segundo o jornal britânico, a Apple em média vendeu cada iPhone a 642 dólares (cerca de 568 euros), quando nos três meses anteriores a média era de 691 dólares (611,6 euros) por aparelho.

Estes resultados são ainda reveladores de um problema já antigo: a grande dependência da empresa do mercado dos smartphones.

A tecnológica fabrica também computadores pessoais e os tablets iPads, além de outros aparelhos eletrónicos como o Apple Watch. No entanto, é o negócio dos telefones que tem valido para o crescimento - e agora o percalço - daquela que já foi a empresa mais valiosa do mundo.