Centeno diz que Portugal poupou 1,2 mil milhões com subidas de rating

O ministro das Finanças disse hoje que o Estado poupou 1.270 milhões de euros com as emissões de dívida desde setembro de 2017, altura em que Portugal voltou a ter uma notação de investimento.

A propósito da subida hoje do rating de Portugal pela Standard & Poors (S&P), Mário Centemo afirmou à Lusa que esta melhoria "reflete o reconhecimento de transformações estruturais na economia e terá impacto direto nos custos de financiamento das famílias, empresas e Estado.

"Trata-se de uma decisão que contribui para reforçar a confiança dos investidores e a credibilidade externa de Portugal, com impacto direto nos custos de financiamento das famílias das empresas e do Estado", acrescentou o ministro das Finanças.

A S&P subiu hoje a nota atribuída a Portugal de 'BBB-' para 'BBB', dois níveis acima do grau de investimento especulativo, atribuindo-lhe uma perspetiva estável.

Mário Centeno recordou que em 15 de setembro de 2017, há 18 meses, a S&P foi a primeira das principais agências de rating a colocar a dívida portuguesa de novo com a notação de investimento.

"Foi um sinal positivo e ao mesmo tempo muito claro do retorno à normalidade do financiamento da República Portuguesa", disse o ministro, adiantando que, desde essa altura, "Portugal emitiu 23.420 milhões de euros em dívida nas diferentes maturidades".

"E dado este reconhecimento e o percurso que fizemos nos mercados financeiros, pagámos menos 1.270 milhões de euros em juros apenas nestas emissões", adiantou o ministro.

"São poupanças que o Estado tem com o seu financiamento que apenas foram conseguidas pelo resultado das políticas económicas que temos seguido e pelo investimento feito em Portugal ao longo destes anos pelas empresas e pelas famílias", argumentou.

Em declarações à Lusa, Mário Centeno adiantou também que é preciso continuar o trabalho feito "em prol das novas gerações" e frisou que é importante a concentração da redução da dívida pública.

"Portugal hoje é de novo reconhecido pela Standard & Poor's. Devemos continuar este trabalho em prol das novas gerações. Aquilo em que é mais importante concentrar-nos, em termos de resultados para Portugal hoje, é a redução da dívida, que continua elevada", assumiu o governante.

Sobre o impacto que esta melhoria do rating terá para Portugal, Mário Centeno frisou que "o financiamento que as empresas têm, o crédito que as famílias podem aceder, beneficia desta redução das taxas".

"Significa que o rendimento disponível aumenta e que podemos todos em conjunto aumentar o investimento na nossa formação, nas nossas empresas. E o Estado com certeza beneficia porque os 1.200 milhões de euros que pagámos a menos em juros nas emissões desde setembro de 2017 beneficiam o Orçamento do Estado no que é o aumento da despesa em saúde, em educação, nos transportes", disse o ministro.

A agência de notação financeira S&P subiu hoje o rating de Portugal de 'BBB-' para 'BBB', passando a ter a mesma avaliação para a dívida soberana portuguesa que a Fitch e a DBRS, que também avaliam a dívida pública portuguesa em 'BBB' com perspetiva estável.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.