OCDE insiste na subida do IVA

Para crescer, Portugal deve dar prioridade à melhoria da eficiência do sistema fiscal. Dívida das empresas e baixas qualificações.

O grupo das economias avançadas liderado por Angel Gurría renovou esta sexta-feira a receita para o crescimento dos países. Para Portugal, a prioridade deve estar nas reformas dos impostos com a OCDE a insistir na defesa de uma revisão das taxas preferenciais e isenções de IVA e de um peso maior dos impostos sobre imóveis e outros bens no bolo das receitas fiscais.

"Melhorar a eficiência do sistema fiscal deve ser uma prioridade-chave dada a necessidade de reduzir o stock de dívida pública", defende a organização nas notas sobre Portugal do relatório Going for Growth deste ano. A ideia da OCDE passa por "reduzir as isenções e taxas preferenciais do imposto sobre o consumo e aumentar o peso dos impostos sobre a propriedade nas receitas fiscais". Mas estas reformas devem assegurar que o sistema fiscal não perde progressividade, diz o documento.

O IVA que fica por cobrar representou mais de metade da despesa fiscal de 2018, de 13,1 mil milhões de euros. A OCDE vem defendendo regularmente que é preciso subir o IVA e reduzir o valor de que o Estado abdica em impostos. Já em fevereiro deste ano, Angel Gurría chegava a Portugal para insistir no assunto: o IVA mais reduzido na restauração não estava a ter efeito na melhoria do emprego e favorecia antes apenas as famílias com mais rendimentos.

Mas este não é o único recado na área dos impostos. Outro ainda cruza com a inovação: os incentivos fiscais à investigação e desenvolvimento, também uma rubrica com peso importante na despesa fiscal em IRC - 111 milhões de euros no ano passado.

O Sistema de Incentivos Fiscais em Investigação e Desenvolvimento Empresarial (SIFIDE), que permite abater à coleta até 1,5 milhões de euros, e permite adiar o gozo do benefício em até oito anos quando os rendimentos das empresas sejam insuficientes para tributação. Mas a OCDE entende que deve deixar de haver prazo de validade para usufruir deste crédito do fisco ou mesmo "reembolso em dinheiro de benefícios fiscais de I&D que não foram usados".

Na inovação, e de modo a melhorar a colaboração entre empresas e academia, a organização recomenda ainda incentivos na carreira dos investigadores universitários que favoreçam o trabalho com os privados.

As baixas qualificações da mão de obra e o endividamento elevado das empresas são, para a OCDE, dois dos principais obstáculos ao crescimento económico em Portugal, país onde a desigualdade se mantém elevada e a produtividade baixa.

Quanto ao primeiro obstáculo, o relatório defende mais apoio para os estudantes em risco de chumbo ou de abandono escolar, assim como mais formação para professores e diretores de escolas e incentivos para que os docentes mais experientes se fixem nas escolas com piores resultados. A OCDE também defende a consolidação das várias vertentes do ensino profissional e técnico num único sistema.

Já quanto ao endividamento, a organização volta a pedir meios extrajudiciais para facilitar insolvências e defende agora também que alguns ativos "de indivíduos altamente endividados" possam ficar livres do processo em que os tribunais ordenam a venda de bens para resposta aos credores. Isto, para facilitar a declaração de insolvência pelos mesmos.

A OCDE olha ainda para formas de aumentar a competitividade noutros sectores que não a indústria. A ideia é que esse reforço de competitividade baixe preços à produção e anime produtividade e exportações. São propostas menos barreiras de regulação nas ordens profissionais, novas concessões portuárias e a redução dos apoios à produção de energia.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.