Novas previsões: economia da zona euro vai crescer ainda menos

O fundo menciona o impacto do referendo no Reino Unido e "questões políticas" internas. As perspetivas a médio prazo para a zona euro são "medíocres"

O FMI voltou a rever em baixa as previsões de crescimento da economia da zona euro para 2017, dos anteriores 1,6% para 1,4%, sobretudo devido ao "impacto negativo" do Brexit.

Segundo o estudo do artigo IV sobre a zona euro, hoje divulgado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), "o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro deverá desacelerar de 1,6% este ano para 1,4% em 2017, sobretudo devido ao impacto negativo do resultado do referendo no Reino Unido", que determinou a saída do país da União Europeia.

No relatório, o Fundo aponta ainda que as perspetivas a médio prazo para a zona euro são "medíocres" - dado o elevado desemprego herdado da crise, a elevada dívida pública e privada e as debilidades estruturais que afetam o crescimento da produtividade - projetando um crescimento a cinco anos em torno de 1,5%, com a taxa de inflação a ficar-se pelos 1,7%.

No 'World Economic Outlook' divulgado em 12 de abril, em que atualizou as projeções económicas até 2021, o FMI já tinha revisto em baixa as previsões de janeiro para a zona euro, antecipando uma evolução de 1,5% em 2016 e de 1,6% em 2017 (em janeiro tinha previsto que a zona euro deveria crescer 1,7% tanto este ano como no próximo).

"A recuperação fortaleceu-se recentemente. Os preços do petróleo mais baixos, uma política fiscal neutral e uma política monetária harmonizada estão a incentivar a procura doméstica. Contudo, a inflação e as expectativas da inflação continuam muito baixas e aquém do objetivo do Banco Central Europeu (BCE) para a estabilidade dos preços a médio prazo", refere a instituição liderada por Christine Lagarde.

No que se refere à taxa de inflação da zona euro, o FMI prevê que suba de 0,2% este ano para 1,1% em 2017, impulsionada pelos preços da energia.

De acordo com a avaliação agora feita pelo Fundo Monetário, os riscos aumentaram na zona euro, quer porque "o abrandamento global pode perturbar a recuperação assente na procura doméstica", quer devido às "questões políticas" internas: "Impactos adicionais do referendo no Reino Unido, o problema dos refugiados ou um aumento das preocupações com a segurança podem contribuir para um aumento da incerteza, prejudicando o crescimento e prejudicando os progressos nas políticas e reformas", adverte.

"Outros riscos - acrescenta - são a fraqueza dos sistemas bancários e financeiro de alguns países e os fracos ritmo de crescimento e nível de inflação, que tornam a zona euro cada vez mais vulnerável a choques em áreas onde as políticas disponíveis para limitar os efeitos sobre a economia são muito limitadas.

Neste contexto, o FMI defende "a aplicação coletiva de políticas polivalentes e equilibradas" que reduzam os riscos, estimulem o crescimento e reforcem a integração, advertindo que a recuperação cíclica não deve levar a um abrandar das reformas na zona euro.

O Fundo recomenda que as políticas devem priorizar reformas estruturais que promovam a produtividade e reduzam os desequilíbrios macroeconómicos, o reforço do investimento, a conclusão da união bancária e a correção das folhas de balanço (nomeadamente no setor bancário), alertando que "sem ações firmes, a zona euro continuará vulnerável à instabilidade e a sucessivas crises de confiança".

Para potenciar o crescimento e reduzir os desequilíbrios, é destacada a importância de reformas estruturais que reduzam as barreiras comerciais, uma melhor administração pública, menos impostos sobre o trabalho e menos desigualdades no mercado laboral.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...