Quem é o dono dos carros dourados de Londres?

O turista chegou esta semana a Londres acompanhado da sua coleção de quatro luxuosos carros dourados

Eram dourados e chamaram a atenção por onde passaram esta semana, em Londres: quatro carros no valor de mais de 1,5 milhões de euros suscitaram a curiosidade da população londrina. Segundo a CNN, o dono dos carros é um multimilionário da Arábia Saudita que, apesar de estar de férias, não descurou o seu estilo.

A sua coleção de veículos - revestidos a vinil dourado - incluí: um Mercedes G63 AMG 6x6 de seis rodas e adequado para as dunas de areia da Arábia Saudita, no valor de cerca de 470 mil euros; um Rolls-Royce Phantom Coupé de cerca de 450 mil euros; e um Lamborghini Aventador. O milionário saudita de 20 anos saudita levou também um Bentley Flying Spur.

Segundo o jornal The Mirror, todos os anos vários turistas do Médio Oriente levam os seus luxuosos carros até Londres e já foram feitas inúmeras queixas por parte dos residentes por causa do barulho dos motores à noite, o que levou a câmara a criar uma lei que proíbe os automobilistas de acelerar, fazer corridas ou acrobacias com os veículos.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.