Mais de 372 mil desempregados sem subsídio em março

Foram atribuídas 250 mil prestações de desemprego, mas o número de desempregados ascende aos 622 mil

O Estado português atribuiu cerca de 250 mil prestações de desemprego em março, deixando sem estes apoios mais de 372 mil desempregados, de acordo com as contas feitas pela agência Lusa com base nos últimos dados oficiais disponíveis.

De acordo com os dados disponibilizados hoje na página da Segurança Social, em março existiam 249.837 beneficiários de prestações de desemprego, menos 6.305 pessoas do que em fevereiro e o equivalente a 40% do último número total de desempregados contabilizados pelo Instituto Nacional de Estatística (estimativas provisórias de fevereiro).

Os últimos dados divulgados pelo INE, relativos a fevereiro, contabilizavam um total de 622,2 mil desempregados, com a taxa de desemprego a situar-se nos 12,3% (uma subida de 0,2 pontos percentuais face a janeiro).

Das prestações contabilizadas pela Segurança Social, 123.205 referem-se a mulheres e as restantes 126.632 dizem respeito a homens.

Os números da Segurança Social incluem o subsídio de desemprego, subsídio social de desemprego inicial, subsídio social de desemprego subsequente e prolongamento do subsídio social de desemprego, prestações que atingiram em março o valor médio de 455,34 euros, face aos 450,37 euros registados um ano antes.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.