Lucro da Mota-Engil baixa 94% para 5 milhões de euros

A Mota-Engil registou um resultado líquido de 4,6 milhões de euros entre janeiro e junho, uma descida de 94% face ao lucro de 72 milhões de euros obtido no período homólogo do ano passado, revelou hoje a construtora.

"Quanto ao resultado líquido, o Grupo Mota-Engil apresentou um valor de 5 milhões de euros, sem qualquer efeito extraordinário como sucedeu no período homólogo onde se registou um impacto positivo de 77 milhões de euros através da alienação do negócio da logística (Tertir) e das águas (Indáqua)", justificou a Mota-Engil.

No comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a companhia realçou "o crescimento de 15% no volume de negócios para 1.196 milhões de euros e um crescimento do EBITDA [lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações] de 25% [para 186 milhões de euros]".

Já a carteira de encomendas cresceu 450 milhões de euros (face a dezembro) atingindo o montante de 4,9 mil milhões de euros.

"Este valor destaca-se de forma acrescida pelo crescimento simultâneo da produção, o que permite antever perspetivas positivas para o desempenho operacional no segundo semestre do ano, especialmente em África e na América Latina", assinalou a construtora.

E rematou: "Face às estimativas de mercado o Grupo apresenta uma performance económica acima das previsões apresentadas".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.