YouTube e Google acusados de práticas ilegais por 23 associações dos EUA

Mais de vinte organizações de defesa dos direitos digitais e de proteção da infância apresentaram uma queixa junto do regulador norte-americano do comércio,

Associações norte-americanas acusaram esta segunda-feira o YouTube e a empresa Google, detentora daquele 'site' de partilha de vídeos, de recolher dados pessoais de crianças e de os utilizar para direcionar os anúncios de publicidade, que consideram práticas ilegais.

Vinte e três organizações de defesa dos direitos digitais e de proteção da infância apresentaram uma queixa junto do regulador norte-americano do comércio, na qual pedem que investigue estas práticas.

Segundo as associações, a Google recolhe as informações pessoais de menores no YouTube, apesar de este 'site' estar oficialmente proibido a menores de 13 anos, incluindo a sua localização, o equipamento utilizado ou os contactos telefónicos de telemóvel.

"A Google arrecada estas informações sem informar previamente os pais, utilizando-as para direcionar a publicidade para crianças em toda a Internet", afirmam as associações.

Segundo, Josh Golin, da campanha para uma infância sem publicidade, uma das organizações que subscreveu o pedido de investigação, "há anos que a Google abandonou a sua responsabilidade para com as crianças e famílias, alegando, erroneamente, que o YouTube -- um 'site' cheio de desenhos animados e publicidade de brinquedos - não é para crianças".

"A empresa Google obtém lucros gigantescos com os anúncios publicitários para crianças e deve respeitar a COPPA", a lei norte-americana de proteção da privacidade das crianças na Internet, adiantou Josh Golin.

As associações consideram que as práticas da Google contrariam esta lei, de 1998, que proíbe 'sites' destinados a crianças ou que se sabe que estas os utilizam de recolher e usar tais informações sem acordo dos respetivos pais".

Contactada pela agência France Press, um porta-voz da empresa referiu que o grupo ainda não teve conhecimento da queixa, que ainda não tinham conhecimento da queixa, mas garantiu que proteger as crianças e as famílias é uma prioridade".

"Como o YouTube não é para crianças, investimos de uma forma significativa para criar a aplicação YouTube Kids, que propõe uma alternativa especialmente destinada às crianças", realçou o porta-voz.

A queixa surge nua altura de desconfiança relacionada com a gestão de dados pessoais na Internet, em particular pelo Facebook, na sequência do escândalo da Cambridge Analytica.

O Facebook admitiu a semana passada à Comissão Europeia que os dados de "até 2,7 milhões" de utilizadores daquela rede social a residir na União Europeia possam ter sido transmitidos de "maneira inapropriada" à empresa britânica Cambridge Analytica.

Dois dias antes, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, revelou que um total de 87 milhões de utilizadores da rede social terá sido afetado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.