Yahoo regista prejuízos de 3995 mil milhões e vai despedir 1500 trabalhadores

Despedimentos anunciados enquadram-se num "plano estratégico agressivo"para aumentar receitas

O grupo norte-americano Yahoo anunciou na terça-feira que registou prejuízos de 4359 milhões de dólares (3.995 milhões de euros) em 2015 e que vai despedir 15% dos seus ativos, cerca de 1.500 trabalhadores.

A saúde financeira do grupo Yahoo foi ajudada em 2014, ano em que registou um lucro de 7522 milhões de dólares, que compara com um prejuízo de 4.359 milhões de dólares em 2015, devido ao resultado extraordinário de 6300 milhões de euros resultantes da venda da sua participação na empresa de comércio eletrónico chinesa Alibaba, refere, em comunicado.

As receitas do Yahoo, por sua vez, atingiram os 4.968 milhões de dólares em 2015, contra 4.618 milhões de dólares no ano anterior.

O fundo de investimento Starboard Value, que detém o Yahoo, indicou em novembro de 2014 que pretendia vender o seu "negócio principal" na Internet, conhecido por Yahoo.

Os despedimentos anunciados enquadram-se num "plano estratégico agressivo" que foi hoje divulgado, mas em que se quer aumentar as receitas das operações móveis, de vídeo e das redes sociais para 1800 milhões de euros no final deste ano.

O grupo quer chegar ao final deste ano com 9.000 trabalhadores a tempo inteiro e um pouco menos de 1.000 subcontratados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.