Web summit: Startup de distribuição e armazenamento de medicamentos Lifeina vence 'pitch'

Francesa Lifeina venceu concurso de startups da Web Summit

A 'startup' francesa Lifeina, que pretende ser líder mundial no transporte e armazenamento de medicação, venceu o concurso para estas empresas em fase inicial na conferência de tecnologia Web Summit, em Lisboa, foi hoje divulgado.

O anúncio foi feito pela presidente do júri do 'pitch' (breve apresentação de uma empresa de três a cinco minutos), Daniela Gerd tom Markotten, no palco central do evento, na Altice Arena.

Além de Daniela Gerd tom Markotten, compunham o júri os empresários Tom Hulme e Lydia Jett, sendo que este veredicto contou 75% para a decisão final.

Acompanhada em palco pelo fundador do evento, Paddy Cosgrave, Daniela Gerd tom Markotten disse que a decisão do júri segue "completamente em linha" com a dos participantes do evento (que pesou 25%), manifestada através de uma sondagem na aplicação móvel da Web Summit.

"Este ano tivemos um quarto membro no júri, vocês", afirmou Paddy Cosgrave, dirigindo-se à audiência.

Na votação, 52% dos mais de 2.000 participantes escolheram a Lifeina como favorita, em detrimento das 'startups' Jauntin, que aposta em seguros à distância, e Watr, que visa a monitorização da qualidade da água da torneira.

Por seu lado, a Lifeina criou um frigorífico portátil para o transporte de medicamentos a temperaturas que variam entre os dois e oito graus centígrados.

O patrocinador do 'pitch' é a Mercedes Benz, que garante a esta 'startup' vencedora um prémio de 50 mil euros e o acesso ao programa de incubação promovido pelo fabricante alemão de automóveis.

Quando subiu ao palco para receber o prémio, o fundador e presidente executivo da Lifeina, Uwe Diegel, disse "sonhar com um mundo em que Donald Trump não era Presidente dos Estados Unidos e no qual há paz".

A analogia serviu para Uwe Diegel afirmar que "ter um sonho é fácil, toda a gente tem, [mas] concretizá-lo não é o mesmo".

"E eu não conseguia cumprir o meu sem a minha equipa", adiantou.

A Web Summit, que decorreu desde segunda-feira no Altice Arena (antigo Meo Arena) e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), termina hoje.

Segundo a organização da Web Summit, nesta segunda edição do evento em Portugal, participam 59.115 pessoas de 170 países, entre os quais mais de 1.200 oradores, 1.400 investidores e 2.500 jornalistas.

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Lisboa por três anos, com possibilidade de mais dois de permanência na capital portuguesa.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.