Volkswagen vai chamar às oficinas 1,1 milhões de veículos

As autoridades alemãs autorizaram soluções técnicas para alguns modelos. Vão ser chamados carros da Volkswagen e da Audi

A Volkswagen informou hoje que as autoridades alemãs aprovaram soluções técnicas para 1,1 milhões de veículos do grupo afetados pela manipulação das emissões de gases poluentes.

Na sequência da decisão do regulador alemão de transporte automobilístico (KBA), o grupo tem luz verde para chamar às oficinas mais 1,1 milhões de veículos comerciais da Volkswagen e da Audi.

Na semana passada, as autoridades alemãs autorizaram soluções técnicas para os modelos Passat, CC e Eos, também com um motor TDI EA 189 de 2,0 litros.

Serão chamados à revisão os modelos Golf, Passat e Tiguan da Volkswagen e ao A4, A5, A6 e Q5, da Audi. Os motores díesel de 1,2 litros, 1,6 litros e 2 litros necessitam de uma atualização de 'software' que, segundo a Volkswagen, se realiza em menos de meia hora.

A Volkswagen, recentemente envolvida num escândalo mundial de manipulação de emissões poluentes em motores diesel anunciou, a 31 de maio último, uma queda nos lucros de 20,1%, para 2,31 mil milhões de euros, no período de janeiro a março, registando-se uma quebra de 3,4% nas vendas, para 50,96 mil milhões de euros.

Apesar do escândalo, divulgado em setembro de 2015 e relativo aos 11 milhões de motores diesel identificados com defeito, o número de veículos vendidos pela empresa alemã Volkswagen subiu 0,8%, para 2.508 milhões de unidades em todo o mundo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.