Volkswagen queria esconder relatório embaraçoso de testes com animais

Organismo de investigação financiado pela Volkswagen e concorrentes fez testes com macacos. Animais estavam fechados em gaiolas de vidro onde inalavam durante quatro horas os gases de escape de um carro

O construtor automóvel Volkswagen tentou esconder os testes que envolveram macacos porque mostravam que as emissões dos veículos recentes eram "mais nocivas" do que as dos antigos, afirmou hoje o jornal Bild.

Os resultados destas experiências "nunca deviam sair" dado que eram "muito devastadores", refere o jornal alemão, que publica documentos internos do laboratório norte-americano que os fez.

"Enviámos o relatório final há vários meses e (os responsáveis da Volkswagen) contestaram-no porque não correspondia ao que esperavam", escrevia em agosto de 2016 Jacob McDonald, do laboratório que foi mandatado pelo EUGT, organismo de investigação financiado pela Volkswagen e pelos seus concorrentes Daimler, BMW e pelo fabricante de equipamento Bosch.

Os testes, inicialmente revelados pelo jornal norte-americano The New York Times, tiveram lugar em 2015, indicou hoje à AFP a Volkswagen. Os animais estavam fechados em gaiolas de vidro onde inalavam durante quatro horas os gases de escape de um Beetle, sucessor do modelo Carocha da Volkswagen, e de uma carrinha Ford mais antiga.

Os testes deviam demonstrar que os novos motores diesel eram inócuos, mas pelo contrário, os animais que inalaram estes gases "apresentaram mais sinais inflamatórios do que os que respiraram o antigo", disse um perito ao Bild.

Numa mensagem de correio eletrónico, Jacob McDonald propôs não mencionar no relatório final os maus resultados obtidos pelos motores recentes e insistir na ausência de perigo da "tecnologia antiga".

O relatório foi enviado em junho de 2017 ao EUGT, em liquidação desde o escândalo "dieselgate" em 2015, e nunca foi publicado, indica o Bild.

Apesar deste novo escândalo, a Volkswagen mantém a confiança no diesel. "Continuaremos (...) a investir nesta tecnologia e tentaremos reabilitar o diesel", afirmou Matthias Müller, presidente do grupo, em declarações a um canal de televisão alemão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?