Volkswagen queria esconder relatório embaraçoso de testes com animais

Organismo de investigação financiado pela Volkswagen e concorrentes fez testes com macacos. Animais estavam fechados em gaiolas de vidro onde inalavam durante quatro horas os gases de escape de um carro

O construtor automóvel Volkswagen tentou esconder os testes que envolveram macacos porque mostravam que as emissões dos veículos recentes eram "mais nocivas" do que as dos antigos, afirmou hoje o jornal Bild.

Os resultados destas experiências "nunca deviam sair" dado que eram "muito devastadores", refere o jornal alemão, que publica documentos internos do laboratório norte-americano que os fez.

"Enviámos o relatório final há vários meses e (os responsáveis da Volkswagen) contestaram-no porque não correspondia ao que esperavam", escrevia em agosto de 2016 Jacob McDonald, do laboratório que foi mandatado pelo EUGT, organismo de investigação financiado pela Volkswagen e pelos seus concorrentes Daimler, BMW e pelo fabricante de equipamento Bosch.

Os testes, inicialmente revelados pelo jornal norte-americano The New York Times, tiveram lugar em 2015, indicou hoje à AFP a Volkswagen. Os animais estavam fechados em gaiolas de vidro onde inalavam durante quatro horas os gases de escape de um Beetle, sucessor do modelo Carocha da Volkswagen, e de uma carrinha Ford mais antiga.

Os testes deviam demonstrar que os novos motores diesel eram inócuos, mas pelo contrário, os animais que inalaram estes gases "apresentaram mais sinais inflamatórios do que os que respiraram o antigo", disse um perito ao Bild.

Numa mensagem de correio eletrónico, Jacob McDonald propôs não mencionar no relatório final os maus resultados obtidos pelos motores recentes e insistir na ausência de perigo da "tecnologia antiga".

O relatório foi enviado em junho de 2017 ao EUGT, em liquidação desde o escândalo "dieselgate" em 2015, e nunca foi publicado, indica o Bild.

Apesar deste novo escândalo, a Volkswagen mantém a confiança no diesel. "Continuaremos (...) a investir nesta tecnologia e tentaremos reabilitar o diesel", afirmou Matthias Müller, presidente do grupo, em declarações a um canal de televisão alemão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.