Volkswagen queria esconder relatório embaraçoso de testes com animais

Organismo de investigação financiado pela Volkswagen e concorrentes fez testes com macacos. Animais estavam fechados em gaiolas de vidro onde inalavam durante quatro horas os gases de escape de um carro

O construtor automóvel Volkswagen tentou esconder os testes que envolveram macacos porque mostravam que as emissões dos veículos recentes eram "mais nocivas" do que as dos antigos, afirmou hoje o jornal Bild.

Os resultados destas experiências "nunca deviam sair" dado que eram "muito devastadores", refere o jornal alemão, que publica documentos internos do laboratório norte-americano que os fez.

"Enviámos o relatório final há vários meses e (os responsáveis da Volkswagen) contestaram-no porque não correspondia ao que esperavam", escrevia em agosto de 2016 Jacob McDonald, do laboratório que foi mandatado pelo EUGT, organismo de investigação financiado pela Volkswagen e pelos seus concorrentes Daimler, BMW e pelo fabricante de equipamento Bosch.

Os testes, inicialmente revelados pelo jornal norte-americano The New York Times, tiveram lugar em 2015, indicou hoje à AFP a Volkswagen. Os animais estavam fechados em gaiolas de vidro onde inalavam durante quatro horas os gases de escape de um Beetle, sucessor do modelo Carocha da Volkswagen, e de uma carrinha Ford mais antiga.

Os testes deviam demonstrar que os novos motores diesel eram inócuos, mas pelo contrário, os animais que inalaram estes gases "apresentaram mais sinais inflamatórios do que os que respiraram o antigo", disse um perito ao Bild.

Numa mensagem de correio eletrónico, Jacob McDonald propôs não mencionar no relatório final os maus resultados obtidos pelos motores recentes e insistir na ausência de perigo da "tecnologia antiga".

O relatório foi enviado em junho de 2017 ao EUGT, em liquidação desde o escândalo "dieselgate" em 2015, e nunca foi publicado, indica o Bild.

Apesar deste novo escândalo, a Volkswagen mantém a confiança no diesel. "Continuaremos (...) a investir nesta tecnologia e tentaremos reabilitar o diesel", afirmou Matthias Müller, presidente do grupo, em declarações a um canal de televisão alemão.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.