Volkswagen admite culpa por fraude nas emissões poluentes

Empresa alemã declarou-se culpada num tribunal norte-americano. Caso de fraude afetou quase 600 mil veículos

O fabricante automóvel alemão Volkswagen (VW) declarou-se hoje culpado, num tribunal de Detroit, de conspirar para defraudar milhares de pessoas nos Estados Unidos com a manipulação das emissões poluentes nos veículos com motores 'diesel'.

A declaração de culpabilidade da VW faz parte do acordo que o grupo alemão alcançou em janeiro com as autoridades norte-americanas para resolver o caso que afetou quase 600 mil veículos com um dispositivo que manipula as emissões poluentes realmente produzidas.

Segundo o acordo, a empresa vai pagar 2.800 milhões de dólares (2.640 milhões de euros) como "multa penal por conspiração de longo prazo para vender aproximadamente 590 mil veículos a 'diesel' nos Estados Unidos usando um dispositivo que manipulava os testes de emissões ordenados pela Agência de Proteção Ambiental (EPA)" e autoridades da Califórnia.

A VW terá ainda de pagar 1.500 milhões de dólares (1.400 milhões de euros) por importação e venda nos Estados Unidos de veículos manipulados e por fraude aduaneira.

Após a VW ter admitido a culpabilidade, o juiz instrutor do caso, Sean Cox, anunciou que vai estudar o acordo alcançado entre as duas partes, de acordo com a agência Efe.

Cox, que fixou a data de 21 de abril para ditar formalmente a sentença, afirmou que os delitos pelos quais o fabricante alemão se declarou culpado são "muito graves".

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.