Investimento sobe 14,6% em novembro em termos homólogos

O investimento captado através dos vistos 'gold' subiu 14,6% em novembro, face a igual mês de 2016, para 54,5 milhões de euros, de acordo com os dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Em novembro, o investimento total resultante da Autorização de Residência para a Atividade de Investimento (ARI), também conhecida como visto 'gold', atingiu os 54.589.213,55 euros, uma subida de 14,6% face ao mesmo mês de 2016 (47.597.866,42 euros).

Relativamente à evolução face a outubro, não foi possível calcular a variação, uma vez que o SEF não disponibilizou dados que permitissem o cálculo.

Apesar de vários pedidos feitos pela Lusa para obter os dados, a resposta do SEF foi: "O tratamento estatístico dos referidos dados traduz-se no mapa disponibilizado no portal do SEF, o qual engloba os dados referentes aos meses de agosto, setembro e outubro".

Do montante captado em novembro, a maioria continua a corresponder à compra de imóveis (52.370.344,79 euros), enquanto a transferência de capital atingiu os 2.218.968,76 euros.

No mês passado, foram atribuídos 93 vistos 'dourados', dos quais 91 pela compra de imóveis e dois pelo requisito de transferência de capital.

Dos 91 atribuídos por via do critério de compra de bens imóveis, foram concedidos em novembro mais 14 ARI para reabilitação urbana, no âmbito das regras de concessão que estão em vigor desde setembro de 2015.

Até final de novembro tinham sido atribuídos 77 vistos 'dourados' para reabilitação urbana, sendo que o primeiro do género foi concedido em julho de 2016.

Em termos acumulados - desde que este tipo de instrumento, que visa a captação de investimentos para Portugal, começou a ser atribuído, em 08 de outubro de 2012 até novembro último -, o investimento ascendeu a 3.380.862.618,18 euros. Deste montante, 323.898.160,46 euros foram captados por via da transferência de capital e 3.056.964.457,72 euros mediante o critério da compra de bens imóveis.

Desde a criação deste instrumento foram atribuídos 5.505 ARI: dois em 2012, 494 em 2013, 1.526 em 2014, 766 em 2015, 1.414 em 2016 e 1.303 este ano.

Em termos acumulados, até novembro foram concedidos 5.196 vistos pelo requisito da aquisição de bens imóveis, 301 por transferência de capital e oito pela criação de, pelo menos, 10 postos de trabalho.

A China lidera a lista de ARI atribuídas (3.575 até novembro), seguida do Brasil (463), África do Sul (216), Rússia (192) e Líbano (108).

As novas regras para a obtenção de vistos 'gold', que alargaram os critérios de investimento para cidadãos fora da União Europeia a áreas como reabilitação urbana e ciência, entre outras, entraram em vigor em 03 de setembro de 2015.

Desde 2013 foram atribuídas 9.212 autorizações de residência a familiares reagrupados: 576 em 2013, 2.395 em 2014, 1.322 em 2015, 2.344 em 2016 e 2.575 em 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.