Victor Ribeiro: Este é um encontro enciclopédico

CEO do Global Media Group deu as boas-vindas em mais um dia de trabalhos do Lisbon Mobi Summit


O dia de ontem (quinta-feira) foi enciclopédico e o de hoje (sexta-feira) vai ser igualmente enciclopédico. Esta foi a constatação de Victor Ribeiro, CEO do Global Media Group, feita no discurso de boas-vindas de mais um dia de trabalhos do Lisbon Mobi Summit, que está a decorrer no SUD Lisboa.

Ao dar as boas vindas aos parceiros neste evento, Victor Ribeiro recordou os trabalhos do dia anterior e fez uma antevisão dos que vai acontecer até domingo à beira-rio. O especial destaque foi para os debates sobre a descarbonização, smartcities, segurança rodoviária, entre outros.

Dirigindo-se ao público em geral, Victor Ribeiro alertou para atividades mais lúdicas que vão acontecer no fim de semana. "Será uma grande operação de contacto, com vista para o futuro e aberto ao público", disse o CEO do Global Media Group, enumerando os veículos que vão estar à disposição de todos que queiram comparecer em Belém. São eles, entre outros, viaturas autónomas, carros elétricos, scooters, trotinetes e jogos de mobilidade virtual.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.