Viajar numa autoestrada será uma experiência de lazer

Nas autoestradas do futuro circularão cada vez mais veículos elétricos, autónomos e partilhados. A viagem, mais digital, transforma-se em lazer. E é possível ver filmes, trabalhar ou encomendar produtos e recolhê-los num ponto mais adiante ou no regresso

Viajar de carro na A1 para ir de Lisboa ao Porto promete ser, em breve, uma experiência muito diferente. Não só pelo tipo de veículo, cada vez mais elétrico, partilhado e autónomo, mas também pelos serviços que passarão a estar disponíveis ao longo do percurso na autoestrada. Essa é a opinião de Eduardo Ramos, CEO da A-to-B, a empresa do grupo Brisa que desenvolve a tecnologia da Via Verde e outras soluções com reconhecimento internacional.

"Viajar vai tornar-se cada vez mais uma experiência de lazer, em que os veículos, conectados a várias plataformas digitais, permitirão assistir a filmes, trabalhar ou ver, ler e ouvir notícias." Isto porque "as pessoas serão gradualmente libertadas da tarefa da condução".

É o que já acontece nos EUA, onde a condução autónoma é uma realidade em evolução, tanto ao nível do transporte empresarial como particular. Embora a legislação ainda não preveja essa possibilidade na União Europeia, Eduardo Ramos não hesita em afirmar que "a condução autónoma vai ser uma realidade e vai começar a a banalizar-se em torno de 2025".

As autoestradas do futuro serão, tal como os próprios veículos, mais elétricas (com postos de carregamento mais frequentes), partilhadas (as viagens serão cada vez mais em modo de partilha em veículos que podem não ter a forma de carros) e conectadas. Uma das possibilidades que já existe e é operacionalizada pela Amazon é, por exemplo, encomendar uma lista de compras no início de um trajeto e agendar a entrega num ponto algures ao longo de uma autoestrada. O mesmo se pode aplicar, por exemplo, à entrega de uma refeição.

Como serão então as autoestradas do futuro? Eduardo Ramos considera que "terão soluções cada vez mais sofisticadas para comunicar com os utentes, por via digital". Hoje, as autoestradas já têm um modo de comunicar através, por exemplo, das bandas sonoras, que indicam quando um condutor distraído ou sonolento pisa as linhas da berma da estrada. Podem vir a desenvolver-se outras formas de comunicação.

No futuro, "haverá sistemas dentro do próprio veículo que podem emitir alertas", antevê Eduardo Ramos. Hoje em dia já existem, aliás, automóveis de gama alta que bloqueiam uma ultrapassagem quando o sensor deteta um veículo em sentido contrário a uma velocidade não compatível com uma manobra em segurança.

Os novos conceitos da mobilidade elétrica e partilhada são mais facilmente assimilados pelos grupos etários mais baixos, os chamados millennials, com idades abaixo dos 25 anos. Neste grupo possuir um automóvel não está no topo das prioridades, preferindo até soluções de partilha como conceito. São justamente estes jovens, criados na era digital, que estão a chegar ao mercado de trabalho e para os quais as empresas criam novos serviços e soluções que têm em conta a sua cultura, muito diversa da dos seus pais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.