Viajar numa autoestrada será uma experiência de lazer

Nas autoestradas do futuro circularão cada vez mais veículos elétricos, autónomos e partilhados. A viagem, mais digital, transforma-se em lazer. E é possível ver filmes, trabalhar ou encomendar produtos e recolhê-los num ponto mais adiante ou no regresso

Viajar de carro na A1 para ir de Lisboa ao Porto promete ser, em breve, uma experiência muito diferente. Não só pelo tipo de veículo, cada vez mais elétrico, partilhado e autónomo, mas também pelos serviços que passarão a estar disponíveis ao longo do percurso na autoestrada. Essa é a opinião de Eduardo Ramos, CEO da A-to-B, a empresa do grupo Brisa que desenvolve a tecnologia da Via Verde e outras soluções com reconhecimento internacional.

"Viajar vai tornar-se cada vez mais uma experiência de lazer, em que os veículos, conectados a várias plataformas digitais, permitirão assistir a filmes, trabalhar ou ver, ler e ouvir notícias." Isto porque "as pessoas serão gradualmente libertadas da tarefa da condução".

É o que já acontece nos EUA, onde a condução autónoma é uma realidade em evolução, tanto ao nível do transporte empresarial como particular. Embora a legislação ainda não preveja essa possibilidade na União Europeia, Eduardo Ramos não hesita em afirmar que "a condução autónoma vai ser uma realidade e vai começar a a banalizar-se em torno de 2025".

As autoestradas do futuro serão, tal como os próprios veículos, mais elétricas (com postos de carregamento mais frequentes), partilhadas (as viagens serão cada vez mais em modo de partilha em veículos que podem não ter a forma de carros) e conectadas. Uma das possibilidades que já existe e é operacionalizada pela Amazon é, por exemplo, encomendar uma lista de compras no início de um trajeto e agendar a entrega num ponto algures ao longo de uma autoestrada. O mesmo se pode aplicar, por exemplo, à entrega de uma refeição.

Como serão então as autoestradas do futuro? Eduardo Ramos considera que "terão soluções cada vez mais sofisticadas para comunicar com os utentes, por via digital". Hoje, as autoestradas já têm um modo de comunicar através, por exemplo, das bandas sonoras, que indicam quando um condutor distraído ou sonolento pisa as linhas da berma da estrada. Podem vir a desenvolver-se outras formas de comunicação.

No futuro, "haverá sistemas dentro do próprio veículo que podem emitir alertas", antevê Eduardo Ramos. Hoje em dia já existem, aliás, automóveis de gama alta que bloqueiam uma ultrapassagem quando o sensor deteta um veículo em sentido contrário a uma velocidade não compatível com uma manobra em segurança.

Os novos conceitos da mobilidade elétrica e partilhada são mais facilmente assimilados pelos grupos etários mais baixos, os chamados millennials, com idades abaixo dos 25 anos. Neste grupo possuir um automóvel não está no topo das prioridades, preferindo até soluções de partilha como conceito. São justamente estes jovens, criados na era digital, que estão a chegar ao mercado de trabalho e para os quais as empresas criam novos serviços e soluções que têm em conta a sua cultura, muito diversa da dos seus pais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.