Viajar numa autoestrada será uma experiência de lazer

Nas autoestradas do futuro circularão cada vez mais veículos elétricos, autónomos e partilhados. A viagem, mais digital, transforma-se em lazer. E é possível ver filmes, trabalhar ou encomendar produtos e recolhê-los num ponto mais adiante ou no regresso

Viajar de carro na A1 para ir de Lisboa ao Porto promete ser, em breve, uma experiência muito diferente. Não só pelo tipo de veículo, cada vez mais elétrico, partilhado e autónomo, mas também pelos serviços que passarão a estar disponíveis ao longo do percurso na autoestrada. Essa é a opinião de Eduardo Ramos, CEO da A-to-B, a empresa do grupo Brisa que desenvolve a tecnologia da Via Verde e outras soluções com reconhecimento internacional.

"Viajar vai tornar-se cada vez mais uma experiência de lazer, em que os veículos, conectados a várias plataformas digitais, permitirão assistir a filmes, trabalhar ou ver, ler e ouvir notícias." Isto porque "as pessoas serão gradualmente libertadas da tarefa da condução".

É o que já acontece nos EUA, onde a condução autónoma é uma realidade em evolução, tanto ao nível do transporte empresarial como particular. Embora a legislação ainda não preveja essa possibilidade na União Europeia, Eduardo Ramos não hesita em afirmar que "a condução autónoma vai ser uma realidade e vai começar a a banalizar-se em torno de 2025".

As autoestradas do futuro serão, tal como os próprios veículos, mais elétricas (com postos de carregamento mais frequentes), partilhadas (as viagens serão cada vez mais em modo de partilha em veículos que podem não ter a forma de carros) e conectadas. Uma das possibilidades que já existe e é operacionalizada pela Amazon é, por exemplo, encomendar uma lista de compras no início de um trajeto e agendar a entrega num ponto algures ao longo de uma autoestrada. O mesmo se pode aplicar, por exemplo, à entrega de uma refeição.

Como serão então as autoestradas do futuro? Eduardo Ramos considera que "terão soluções cada vez mais sofisticadas para comunicar com os utentes, por via digital". Hoje, as autoestradas já têm um modo de comunicar através, por exemplo, das bandas sonoras, que indicam quando um condutor distraído ou sonolento pisa as linhas da berma da estrada. Podem vir a desenvolver-se outras formas de comunicação.

No futuro, "haverá sistemas dentro do próprio veículo que podem emitir alertas", antevê Eduardo Ramos. Hoje em dia já existem, aliás, automóveis de gama alta que bloqueiam uma ultrapassagem quando o sensor deteta um veículo em sentido contrário a uma velocidade não compatível com uma manobra em segurança.

Os novos conceitos da mobilidade elétrica e partilhada são mais facilmente assimilados pelos grupos etários mais baixos, os chamados millennials, com idades abaixo dos 25 anos. Neste grupo possuir um automóvel não está no topo das prioridades, preferindo até soluções de partilha como conceito. São justamente estes jovens, criados na era digital, que estão a chegar ao mercado de trabalho e para os quais as empresas criam novos serviços e soluções que têm em conta a sua cultura, muito diversa da dos seus pais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.