Via Verde cria ecossistema de mobilidade para todos

A Via Verde quer melhorar a mobilidade nas cidades com serviços de partilha de carro, boleias e de pagamento de estacionamento e de transportes públicos. Tudo pago de forma simples, através do telemóvel ou do identificador Via Verde

Perante a industrialização crescente, o mundo digital e a economia da partilha, a Brisa, através da Via Verde, começou há muito a preparar-se para as novas necessidades de circulação de pessoas. E a resposta surgiu através de um sistema de mobilidade inteligente que integre vários serviços de transporte.


Sabia que no futuro ser dono de um carro será a exceção e não a norma? Estimativas apontam para que, até 2025, mais da metade dos proprietários atuais de carros deixarão de querer possuir um carro.


Indo muito além do pagamento automático de portagens nas autoestradas, a Brisa está hoje na fase de implementação da sua visão do ecossistema Via Verde de produtos de mobilidade. Oferece um serviço integrado que inclui carsharing, ridesharing, pagamento automático de estacionamento e de transportes públicos. Tudo através de um smartphone com ligação à internet.


Hoje, com o mesmo "identificador"(dispositivo que se cola no vidro da frente da viatura), criado na década de 90, a empresa permite pagar facilmente outros serviços complementares. Por exemplo, o abastecimento de combustível nos postos da rede Galp e até refeições no McDrive. Nas viagens em Espanha é possível usar o Traveller para pagar as autoestradas.


Da mesma forma, permite pagar parques de estacionamento através do serviço Via Verde Estacionar; e comboios e autocarros através da Via Verde Transportes Públicos. Basta fazer o download da aplicação no smartphone e seguir as indicações.


Mas a grande revolução é a mobilidade enquanto serviço. E neste campo, a Via Verde oferece serviços de mobilidade para ir trabalhar ou estudar com base na partilha. É o caso do serviço de carsharing. Já é possível deixar ou apanhar um carro em qualquer local dentro da área de operação definida para Lisboa, com pagamento de 29, 31 ou 34 cêntimos por minuto, consoante o modelo automóvel, sem custos anuais ou outras comissões. Nestas tarifas estão incluídos os custos de combustível, estacionamento e seguros, com um máximo de 200 quilómetros gratuitos. Com o serviço ridesharing, o grupo lançou o Via Verde Boleias, uma plataforma de partilha de custos de viagens.
A Brisa quer dominar a mobilidade sustentável. O grupo que detém a concessão das autoestradas acredita que as mudanças vão melhorar a vida das pessoas nas cidades e contribuir para a redução das emissões de dióxido de carbono. E criou um ecossistema digital.

Mobilidade partilhada

Ao aderir à Drive Now, serviço de partilha de automóvel em Lisboa, o utilizador tem acesso aos últimos modelos BMW e MINI. A rede conta com uma ampla gama de veículos de carsharing: compactos, familiares e até elétricos. São mais de 200 veículos espalhados pela cidade disponíveis 24h por dia sem necessidade de reserva antecipada. É só abrir a aplicação mobile utilizando os dados de acesso A Minha Via Verde e reservar a viatura que esteja mais próxima. Pode estacionar em qualquer lugar de estacionamento público dentro da rede. O combustível, seguro e estacionamento estão incluídos no preço que começa em 0,29€ por minuto.
Noutra frente, o site https://boleias.viaverde.pt/BoleiasWeb oferece boleias ou encontra pessoas que precisam de boleia no seu carro. É possível ver os perfis dos condutores e passageiros com quem se vai viajar, ler os comentários deixados por outros membros antes de escolher uma boleia e avaliar os companheiros de viagem.
Como funciona? Os utilizadores com carros publicam os lugares disponíveis, indicando o trajeto e o preço por lugar. Os passageiros pesquisam as suas viagens, inserindo a data da viagem e o ponto de partida e chegada.
Já não precisa de moedas ou pré-carregamentos para estacionar em parques de superfície, subterrâneos ou em zonas com parquímetros. O serviço Via Verde Estacionar ajuda a gerir pagamentos, a prolongar o tempo do estacionamento, a localizar o veículo e a identificar o caminho mais rápido.
Como funciona? Se vai estacionar em parques utilize o "identificador". Se vai estacionar numa zona com parquímetros pode pagar com a aplicação mobile do serviço Via Verde Estacionar. Na rua, pode estacionar na via pública nos locais aderentes e pagar através da conta Via Verde. Neste momento, pode usar este serviço em Amadora, Almada, Bragança, Cascais, Figueira da Foz, Loures, Oeiras, Portimão, Porto, Tavira, Vila Nova de Gaia e Vila Real.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.