Via Verde cria ecossistema de mobilidade para todos

A Via Verde quer melhorar a mobilidade nas cidades com serviços de partilha de carro, boleias e de pagamento de estacionamento e de transportes públicos. Tudo pago de forma simples, através do telemóvel ou do identificador Via Verde

Perante a industrialização crescente, o mundo digital e a economia da partilha, a Brisa, através da Via Verde, começou há muito a preparar-se para as novas necessidades de circulação de pessoas. E a resposta surgiu através de um sistema de mobilidade inteligente que integre vários serviços de transporte.


Sabia que no futuro ser dono de um carro será a exceção e não a norma? Estimativas apontam para que, até 2025, mais da metade dos proprietários atuais de carros deixarão de querer possuir um carro.


Indo muito além do pagamento automático de portagens nas autoestradas, a Brisa está hoje na fase de implementação da sua visão do ecossistema Via Verde de produtos de mobilidade. Oferece um serviço integrado que inclui carsharing, ridesharing, pagamento automático de estacionamento e de transportes públicos. Tudo através de um smartphone com ligação à internet.


Hoje, com o mesmo "identificador"(dispositivo que se cola no vidro da frente da viatura), criado na década de 90, a empresa permite pagar facilmente outros serviços complementares. Por exemplo, o abastecimento de combustível nos postos da rede Galp e até refeições no McDrive. Nas viagens em Espanha é possível usar o Traveller para pagar as autoestradas.


Da mesma forma, permite pagar parques de estacionamento através do serviço Via Verde Estacionar; e comboios e autocarros através da Via Verde Transportes Públicos. Basta fazer o download da aplicação no smartphone e seguir as indicações.


Mas a grande revolução é a mobilidade enquanto serviço. E neste campo, a Via Verde oferece serviços de mobilidade para ir trabalhar ou estudar com base na partilha. É o caso do serviço de carsharing. Já é possível deixar ou apanhar um carro em qualquer local dentro da área de operação definida para Lisboa, com pagamento de 29, 31 ou 34 cêntimos por minuto, consoante o modelo automóvel, sem custos anuais ou outras comissões. Nestas tarifas estão incluídos os custos de combustível, estacionamento e seguros, com um máximo de 200 quilómetros gratuitos. Com o serviço ridesharing, o grupo lançou o Via Verde Boleias, uma plataforma de partilha de custos de viagens.
A Brisa quer dominar a mobilidade sustentável. O grupo que detém a concessão das autoestradas acredita que as mudanças vão melhorar a vida das pessoas nas cidades e contribuir para a redução das emissões de dióxido de carbono. E criou um ecossistema digital.

Mobilidade partilhada

Ao aderir à Drive Now, serviço de partilha de automóvel em Lisboa, o utilizador tem acesso aos últimos modelos BMW e MINI. A rede conta com uma ampla gama de veículos de carsharing: compactos, familiares e até elétricos. São mais de 200 veículos espalhados pela cidade disponíveis 24h por dia sem necessidade de reserva antecipada. É só abrir a aplicação mobile utilizando os dados de acesso A Minha Via Verde e reservar a viatura que esteja mais próxima. Pode estacionar em qualquer lugar de estacionamento público dentro da rede. O combustível, seguro e estacionamento estão incluídos no preço que começa em 0,29€ por minuto.
Noutra frente, o site https://boleias.viaverde.pt/BoleiasWeb oferece boleias ou encontra pessoas que precisam de boleia no seu carro. É possível ver os perfis dos condutores e passageiros com quem se vai viajar, ler os comentários deixados por outros membros antes de escolher uma boleia e avaliar os companheiros de viagem.
Como funciona? Os utilizadores com carros publicam os lugares disponíveis, indicando o trajeto e o preço por lugar. Os passageiros pesquisam as suas viagens, inserindo a data da viagem e o ponto de partida e chegada.
Já não precisa de moedas ou pré-carregamentos para estacionar em parques de superfície, subterrâneos ou em zonas com parquímetros. O serviço Via Verde Estacionar ajuda a gerir pagamentos, a prolongar o tempo do estacionamento, a localizar o veículo e a identificar o caminho mais rápido.
Como funciona? Se vai estacionar em parques utilize o "identificador". Se vai estacionar numa zona com parquímetros pode pagar com a aplicação mobile do serviço Via Verde Estacionar. Na rua, pode estacionar na via pública nos locais aderentes e pagar através da conta Via Verde. Neste momento, pode usar este serviço em Amadora, Almada, Bragança, Cascais, Figueira da Foz, Loures, Oeiras, Portimão, Porto, Tavira, Vila Nova de Gaia e Vila Real.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.