Verizon compra a Yahoo por 4,83 mil milhões de dólares

Negócio estará concluído no início de 2017 e permitirá juntar num só grupo a Verizon, AOL e Yahoo

A Verizon, maior operador de telecomunicações dos EUA, confirmou esta segunda-feira a aquisição dos ativos da Internet da Yahoo, a empresa pioneira da web, avançam as agências internacionais. A Verizon, que controla a AOL, vai pagar 4,83 mil milhões de dólares, cerca de 4,396 mil milhões de euros, pelo coração do negócio da Yahoo, fundada por Jerry Yang e Dave Filo. O valor é uma pequena fração daquilo que a Yahoo já valeu: Marissa Mayer, a atual CEO da Yahoo, fora contratada há quatro anos à Google, numa tentativa - frustrada - de ressuscitar a empresa, cujo motor de busca é o terceiro mais utilizado, atrás da Google e do Bing.

A Yahoo atravessa uma longa crise há vários anos, que levou a uma forte desvalorização do seu valor de mercado, que chegou a superar os 125 mil milhões de dólares (114 mil milhões de euros).

O presidente da Verizon, Lowell McAdam, indicou em comunicado que as atividades da Yahoo serão integradas na mesma divisão que as da AOL, que adquiriu no ano passado, para criar "um grupo internacional de 'media' de primeira linha e ajudar a acelerar as receitas em publicidade 'online'".

A Yahoo atravessa uma longa crise há vários anos, que levou a uma forte desvalorização do seu valor de mercado, que chegou a superar os 125 mil milhões de dólares (114 mil milhões de euros).

O negócio deverá estar concluído no primeiro quadrimestre de 2017, indica a agência Reuters, e a compra foi oficializada através de um comunicado da Verizon. A operação permitirá assim juntar, num só grupo, a Verizon, AOL e Yahoo, criando uma das maiores distribuidoras de conteúdos do mundo.

A Yahoo passa a ser liderada por Marni Walden, responsável pela inovação de produto e novos negócios da Verizon.

"O grupo Yahoo mudou o mundo e vai continuar a fazê-lo através da sua união com a Verizon e a AOL", indicou a diretora-geral da Yahoo, Marissa Mayer, em comunicado. O destino de Mayer ainda não é conhecido. No domingo, o jornal The New York Times avançou que Mayer deverá deixar o grupo quando o negócio estiver concluído, em 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.