Vencedores da Web Summit vão usar prémio para colocar robô no mercado em 2017

A empresa Kubo Robot vai receber 100 mil euros de investimento

A Kubo Robot, empresa dinamarquesa vencedora da competição Pitch na Web Summit, que termina esta quinta-feira em Lisboa, vai usar o prémio de 100 mil euros no processo de produção do robô, querendo colocá-lo no mercado em 2017.

Com viagem já marcada para Silicon Valley na próxima semana para fazer contactos que lhes permitam entrar no mercado escolar norte-americano, a Kubo Robot vai lançar uma campanha de angariação de fundos em janeiro, que leve à concretização do objetivo de cinco mil robôs produzidos no próximo ano.

Em conferência de imprensa depois de anunciados como vencedores do prémio, os responsáveis da Kubo Robot disseram ainda nem saber qual era o montante do prémio, mas mostraram-se "orgulhosos" de ter vencido uma competição que contou com centenas de participantes de todo o mundo.

A empresa vai lidar quer com o mercado escolar quer com o público em geral, custando um robô 220 dólares, como disse o cofundador Tommy Otzen.

A 'startup' dinamarquesa Kubo Robot vai receber 100 mil euros de investimento da sociedade de capital de risco pública Portugal Ventures.

O Kubo é um robô educacional criado em Odense, na Dinamarca, e propõe-se ensinar programação a crianças, tendo começado como um projeto do Laboratório de Tecnologia Social da Universidade da Dinamarca do Sul com o objetivo de desenvolver novas formas de ensinar tecnologia às crianças mais jovens.

"Quando aprendes a programar o enfoque está no 8.º, 9.º, 10.º ano e usas computadores e portáteis, mas se queres realmente fazê-lo a sério deves ensinar competências que as crianças possam usar num futuro onde a Inteligência Artificial e a robótica vão desempenhar um grande papel", disse Tommy Otzen.

Por seu lado, Daniel Friis Lindegaard explicou que o que fizeram foi pegar na programação baseada em texto, tirá-la do monitor e levá-la para o mundo real, de forma a que "em vez de usar um computador ou um 'tablet' se possam usar peças físicas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.