Valor médio das pensões aumenta e supera os mil euros

É a primeira vez que os valores sofrem aumentos desde 2013

O valor médio das novas pensões atribuídas pela Caixa Geral de Aposentações (CGE) no ano passado aumentou, superando os 1.000 euros, depois de três anos a cair, segundo o Conselho de Finanças Públicas (CFP).

"O valor médio das novas pensões de aposentação aumentou 77 euros, atingindo 1.013 euros em 2017 e interrompendo a trajetória descendente verificada no triénio 2014-2016", lê-se no relatório de análise da execução orçamental da Segurança Social do ano passado divulgado hoje pelo CFP.

Segundo a entidade liderada por Teodora Cardoso, a despesa com pensões e abonos da responsabilidade da CGA aumentou ligeiramente (12 milhões de euros) em 2017, apesar de o número de aposentados ter diminuído pelo segundo ano consecutivo: menos 3655 em 2016 e menos 737 em 2017.

No ano de 2017 foram atribuídas 12.298 novas pensões de aposentação e reforma e foram abatidas 13.035 pensões de aposentação e reforma, aponta o CFP.

Desta forma, explica o Conselho, o aumento de 12 milhões deveu-se ao aumento das novas pensões, que não cresciam desde 2013, mas também à atualização das pensões do regime de proteção social desde o início do ano passado.

Também o impacto da reversão integral da medida de reposição salarial nas Administrações Públicas, que se sentiu se logo desde o início do ano, e aumento do número de novos aposentados (excluindo pensionistas de sobrevivência), de 8.727 em 2016 para 12.298 em 2017, justificam o aumento da despesa, segundo o CFP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.