Utilizadores do Tinder também podem ter os dados em risco

Investigadores da Kaspersky Lab alertam para o facto de dados como o nome, idade e até o salário

Depois da polémica da violação de dados do Facebook, que quem utiliza o Tinder poderá também ter as suas informações pessoais em risco. Pelo menos é o que diz um relatório da Kaspersky Lab, que alerta para o facto de dados como o nome, idade, número de telefone, e-mail e até o salário serem partilhados em aplicações de relacionamento como o Tinder, o Happn ou o Badoo.

Durante a análise a aplicações de encontros conhecidas, a empresa de segurança cibernética russa também confirmou que algumas dessas aplicações divulgam informações dos utilizadores de uma forma não encriptada e através do protocolo seguro HTTP. Tal acontece porque os utilizadores recorrem a SDKs de terceiros que pertencem a algumas das maiores redes de publicidade do mundo e, para determinar em que aplicações isso acontece, os investigadores costumam analisar os registos e o tráfego de rede das aplicações. Chegou-se à conclusão de que grande parte destas aplicações transmitem a informação pessoal dos utilizadores de uma forma insegura e desprotegida.

Entende-se por SDKs os conjuntos de ferramentas de desenvolvimento distribuídas muitas vezes de forma gratuita, com o objetivo dos criadores de software se concentrarem nos elementos de uma aplicação, com o objetivo de conferir outras funções para os SDKs. Neste caso, os autores aproveitam códigos de terceiros para reutilizar funcionalidades já existentes e para desenvolver partes da aplicação, o que lhes permite economizar tempo.

Um investigador de segurança da Kaspersky Lab afirma que "a escala do que, à primeira vista, achávamos que fossem apenas casos isolados de desenvolvimento descuidado de aplicações é avassaladora. Milhões de aplicações incluem SDKs de terceiros, expondo as informações privadas dos utilizadores e tornando mais fácil a sua interceção e modificação - o que leva a infeções de malware, extorsões e outras formas de ataque aos seus dispositivos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.