Usar carro partilhado dá dedução no IRS de 2019. Mas só se for elétrico

Governo prepara benefício fiscal para serviços de carsharing e de bikesharing. Medida só avança no segundo semestre, após publicação da lei de aluguer de automóveis sem condutor, que passa a permitir contratos digitais

Andar com um carro partilhado vai ajudá-lo a pagar menos IRS no próximo ano. Uma parte do IVA cobrado pela utilização dos serviços de carsharing e de bikesharing será deduzida a partir do segundo semestre. Nos automóveis, no entanto, este benefício fiscal só será aplicado para quem utilizar um veículo 100% elétrico, revelou José Mendes, secretário de Estado adjunto e do Ambiente, em entrevista ao DN/Dinheiro Vivo. O executivo, antes disso, vai alterar a lei do rent-a-car para acomodar estas empresas.

"Estamos a trabalhar no cenário em que as despesas com estes serviços partilhados poderão ser alvo de recuperação de parte do IVA em sede de IRS. Vamos introduzir outra condição: essa dedução acontece apenas para quem utilizar carros partilhados elétricos. É uma alteração do estatuto de benefícios fiscais", detalha.

Esta dedução será diferente da que existe para a compra de passes. "Nos transportes públicos, podemos devolver a totalidade do IVA porque a taxa é de 6%; no carsharing, a taxa é de 23%. Temos de ir por partes", explica. A introdução deste benefício fiscal terá de entrar em vigor até ao final deste ano, quando termina a autorização legislativa introduzida no Orçamento do Estado para 2018.

O objetivo é "atrair pessoas para outras modalidades de transporte, mais amigas do ambiente", refere José Mendes.

DriveNow, Emov e Hertz 24/7 City são as três empresas de partilha de carros que poderão ficar a ganhar com esta dedução - no caso das bicicletas, esta mudança afeta o Gira, serviço de partilha gerido pela EMEL. José Mendes pretende, com esta medida, "gerar pressão da procura para quem oferece este tipo de serviços". E "quem não tiver essa oferta, terá de adaptar-se".

A mensagem serve sobretudo para a DriveNow, que conta com uma frota de 211 veículos na cidade de Lisboa; mas apenas 11 são totalmente elétricos. Emov e Hertz 24/7 City têm toda a sua frota sem emissões. Nenhuma destas empresas quis comentar ao DN/Dinheiro Vivo esta dedução.

A medida, por outro lado, agrada a ambientalistas e associações. "Faz sentido haver incentivos fiscais apenas para veículos elétricos, porque não agravam a poluição", elogia o ambientalista Francisco Ferreira. O presidente da associação Zero lembra que estes veículos "fazem muitos quilómetros nas cidades durante o dia", com o carsharing as pessoas podem "utilizar um carro sem se sentirem culpadas". A UVE - Associação de Veículos Elétricos assinala que "a descarbonização da sociedade é o caminho certo".

A dedução do IVA nos serviços partilhados terá de esperar, no entanto, pela publicação, em Diário da República, da alteração do regime de acesso e exercício das atividades de aluguer e partilha de veículos de passageiros sem condutor.

"Entendemos que tem de haver alguma regulação no mercado de partilha de veículos, por questões de segurança e para facilitar a contratação de seguros", justifica o secretário de Estado. Os operadores de carsharing terão de registar-se no IMT - Instituto da Mobilidade dos Transportes mas "não serão criados custos adicionais". A partilha de veículos servirá para utilizações até 12 horas ou até 120 quilómetros.

O rent-a-car clássico passará a contar com contratos digitais de aluguer, medida do programa Simplex+ que irá "desmaterializar, desburocratizar e simplificar os contratos de aluguer de veículos de passageiros sem condutor". Esta medida foi aprovada na semana passada em Conselho de Ministros.

Os contratos digitais irão acelerar o aluguer de automóveis sem condutor e beneficiar uma indústria que, só no ano passado, registou receitas de 700 milhões de euros, segundo a associação do setor, a ​​​​​​​ARAC.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.