Recapitalização da CGD sobe défice de 0,9% para 3%

Caixa faz défice de 2017 subir para 3%

O défice orçamental de 2017 ficou nos 3% do Produto Interno Bruto (PIB), incluindo a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD), mas teria sido de 0,9% sem esta operação, divulgou hoje o INE.

Segundo a primeira notificação de 2018 relativa ao Procedimento por Défices Excessivos, remetida hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) ao Eurostat, o défice das Administrações Públicas atingiu 5.709,4 milhões de euros, o que correspondeu a 3% do PIB, acima do saldo negativo de 2% registado em 2016.

"Este resultado inclui o impacto da operação de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD), no montante de 3.944 milhões de euros, que determinou um agravamento da necessidade de financiamento das Administrações Públicas em 2% do PIB", afirma o INE.

Já considerando duas casas decimais, o défice das Administrações Públicas foi 2,96% em 2017 e o impacto da recapitalização da CGDfoi 2,04%. "Em consequência, excluindo este impacto, a necessidade de financiamento das Administrações Públicas cifrou-se em 0,92% do PIB", explica o INE.

Este valor fica abaixo das estimativas mais recentes do Governo, que apontavam para um défice de 1,1% do PIB no conjunto do ano passado, bem como do Conselho de Finanças Públicas (CFP) e da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), que previam um défice de 1%.

Segundo o INE, a receita total das Administrações Públicas aumentou 3,9%, cerca de 3.100 milhões de euros em 2017 face a 2016, tendo como "principal contributo" a melhoria da receita corrente.

A receita corrente aumentou 4,1% em 2017, "impulsionada pelo aumento das suas componentes com maior peso relativo: os impostos sobre a produção e a importação cresceram 6,1%, de onde se destaca a evolução do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), as contribuições sociais aumentaram 5,1% e os impostos correntes sobre o rendimento e património aumentaram 3,3%".

A receita de capital diminuiu 7,8% "devido à redução das outras transferências de capital (variação de -52,5%, ou menos 229 milhões de euros), apesar do aumento das ajudas ao investimento recebidas da União Europeia (variação de 46,25%, em mais 156 milhões de euros)", explica o INE.

Esta queda face a 2016 reflete, segundo o INE, a devolução pelo Fundo Europeu de Estabilização Financeira das 'prepaid margins' retidas aquando do desembolso do empréstimo ao abrigo do Programa de Assistência Económica e Financeira (no montante de 302 milhões de euros).

Já a despesa total das Administrações Públicas registou um aumento de 6,2% entre 2016 e 2017, para o que contribuiu principalmente o incremento de 135,7% da despesa de capital, que inclui o impacto da operação extraordinária de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD). Sem o impacto da referida recapitalização, o aumento da despesa total teria sido de 1,5%.

"A despesa de capital, líquida da referida operação extraordinária, apresentou uma variação positiva de 24,7%, impulsionada pelo aumento de 22,5% (em cerca de 629 milhões de euros) do investimento (formação bruta de capital)", afirma o INE

Já a despesa corrente apresentou um aumento de 0,5% entre 2016 e 2017, em resultado do efeito combinado do aumento das remunerações dos empregados e das prestações sociais, exceto transferências sociais em espécie, em 1,9% e 1,4%, respetivamente, no seguimento do fim das reduções remuneratórias e de uma diminuição de 3,7% nos encargos com juros (no montante de 286 milhões de euros).

"Estas variações, incluindo a despesa associada à operação de recapitalização da CGD, levaram a uma diminuição do peso relativo da despesa corrente no total da despesa das Administrações Públicas, de 95,7% em 2016, para 90,5% em 2017", acrescenta o INE.

Já no que diz respeito ao saldo primário, que exclui os encargos e juros com a dívida pública, houve uma diminuição de 2.330 milhões de euros face a 2016, apresentando um excedente de 1.766 milhões de euros.

[Valor inicial corrigido: 0,9 em vez de 1%]

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.