União das Misericórdias entra com 5000 euros no capital do banco Montepio

O maior investimento será da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, de 75 mil euros

A União das Misericórdias Portuguesas vai entrar no capital da Caixa Económica Montepio Geral com 5000 euros, disse esta sexta-feira o seu presidente, que admitiu que este é um valor "simbólico" mas que pode subir.

"Nós entramos com capital simbólico, mas vamos acreditar que o banco cumpre a sua função de banco da economia social, então não me repugna nada amanhã aumentar esse capital", afirmou Manuel Lemos em conferência de imprensa, acrescentando que em causa estão 5.000 euros de investimento.

O maior investimento será da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, de 75 mil euros. Este valor fica bem abaixo dos valores inicialmente falados. No início do ano, falava-se que a SCML podia entrar com até 200 milhões de euros

Numa cerimónia esta sexta-feira na sede da Associação Mutualista Montepio Geral, em Lisboa, foi anunciada a entrada de cerca de 50 instituições da economia social no capital da Caixa Económica Montepio Geral.

O maior investimento será da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, de 75 mil euros. Este valor fica bem abaixo dos valores inicialmente falados e que provocaram polémica (no início do ano, falava-se que a SCML podia entrar com até 200 milhões de euros, já em abril o provedor falou de esta ficar com 1% do capital do banco Montepio em troca no máximo de 18 milhões de euros).

As outras entidades que entram no capital do banco Mutualista não foram divulgadas nem as participações com que entram.

A Associação Mutualista Montepio Geral é o topo do Grupo Montepio, sendo a sua principal empresa a Caixa Económica Montepio Geral.

Na quinta-feira, foi aprovado no Conselho Geral da Associação Mutualista Montepio Geral a venda de até dos 2% do capital da Caixa Económica Montepio Geral.

Ler mais

Exclusivos

Premium

25 de Abril

"Em Peniche, fechei a boca, nunca disse nada, levei muita pancada"

Esteve para ser entregue a privados, mas o governo voltou atrás e decidiu converter a fortaleza em Museu Nacional da Resistência e da Liberdade. Querem preservar a memória daqueles que por aqui passaram. Foram 2500, sobrevivem 50. Entre eles, José Pedro Soares, que nos guiou pelos corredores estreitos até à sua antiga cela.