Um terço da retoma vem de vendas de carros, hotéis e restaurantes

Produto interno bruto teve aumento homólogo de 1,6% e de 0,8% em cadeia. Já o investimento caiu 3,1%, o pior desde início de 2013

O produto interno bruto (PIB) português cresceu 1,6% no terceiro trimestre face a igual período de 2015, são mais 691 milhões de euros adicionados à economia interna ao longo de um ano, em termos reais (descontando o efeito da inflação).

Cerca de um terço do ganho veio das vendas e reparação de veículos, do alojamento e da restauração, indicou ontem o Instituto Nacional de Estatística (INE). Aquelas três atividades juntas adicionaram mais 254 milhões de euros à riqueza interna. Os hotéis e os restaurantes estão especialmente ligados a um setor em forte ascensão em Portugal - o turismo.

O acréscimo do PIB total resulta dos contributos positivos e negativos dos vários setores de atividade. Dos oito ramos identificados na economia, seis estão a crescer e dois estão a perder valor acrescentado bruto.

Além do turismo, o setor que está a servir de alavanca ao crescimento da economia portuguesa, o INE mostra que, em termos reais, as outras atividades de serviços contribuíram com mais 80 milhões de euros para o referido crescimento homólogo, a indústria deu mais 52 milhões, a agricultura, silvicultura e pesca ajudou com 43 milhões, o ramo energia, água e saneamento acrescentou 42 milhões de euros e os transportes e armazenagem, atividades da informação e comunicações somaram mais 40 milhões ao PIB.

A perder e a prejudicar a retoma, como tem sido hábito nos últimos anos, surgem o ramo da construção (menos 44 milhões de euros) e as atividades financeiras, de seguros e imobiliárias (desvalorização de 95 milhões de euros). A construção está em declínio desde 2007; o valor acrescentado dos bancos, seguradoras e negócios imobiliários está a afundar desde 2011, mostram as séries longas disponibilizadas pelo INE.

Ontem, o INE confirmou o crescimento homólogo de 1,6% no terceiro trimestre. A economia acelerou já que no trimestre precedente tinha avançado 0,9%. Em cadeia, isto é, face ao segundo trimestre, a riqueza interna expandiu-se 0,8%, como já constava há cerca de 15 dias da estimativa provisória.

"O crescimento mais intenso do PIB refletiu sobretudo o aumento do contributo da procura externa líquida" pois as exportações denotaram uma "aceleração mais acentuada" do que das importações.

Essa expansão de 1,6% iguala a do terceiro trimestre do ano passado. Juntamente com essa marca é o melhor registo trimestral desde 2007 (quando o PIB cresceu 2,1% no terceiro trimestre).

A marca alcançada no terceiro trimestre surpreendeu quase todos os analistas que estavam a apontar para um crescimento médio homólogo de apenas 1,1%.

O consumo privado (das famílias), o agregado mais importante do PIB, representando cerca de dois terços da procura, aumentou 1,9%, reforçando assim face à marca do segundo trimestre (1,6%). "Esta evolução deveu-se à aceleração do consumo privado em bens não duradouros e serviços, que apresentou uma variação homóloga de 1,5% (1% nos três meses anteriores).

Em sentido oposto, o consumo de bens duradouros desacelerou", para 6,2% "refletindo, em larga medida, a evolução da componente automóvel".

O investimento colapsou 3,1%, naquele que é o pior registo desde o início de 2013. Estava a cair 2,3% no segundo trimestre. A crise na construção continua a ditar este desempenho medíocre, não sendo compensada pela recuperação do investimento em equipamentos e veículos.

As exportações foram a componente que mais ganhou. Aumentaram 5,4% em termos reais, melhor do que os 1,8% no período de abril-junho. As importações também ganharam força, mas não tanto. Cresceram 3,5%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.