UGT apresenta dia 22 proposta de Acordo de Empresa à Autoeuropa

Carlos Silva diz que central sindical quer a paz social

A UGT reúne-se no dia 22 com a administração da Autoeuropa para apresentar uma proposta de Acordo de Empresa que garanta o "acervo de direitos dos trabalhadores" e assegure a "paz social", anunciou hoje o secretário-geral Carlos Silva.

"Falei com o Presidente da República na segunda-feira, enviei o pedido de reunião na quarta-feira - porque tive que articular a minha posição com o Sindel [Sindicato Nacional da Indústria e da Energia], que é o nosso sindicato - e na quinta-feira recebemos a resposta da Autoeuropa com reunião marcada para dia 22 de fevereiro, da parte da manhã", adiantou o líder da central sindical.

Em declarações aos jornalistas no Porto, à margem de uma conferência sobre 'O Futuro da ADSE', Carlos Silva salientou que a posição da UGT "é garantir que o acervo de direitos dos trabalhadores, de uma vez por todas, fique elencado num contrato coletivo de trabalho, neste caso um acordo de empresa", que também assegure a "paz social" e a "estabilidade" na Autoeuropa.

Salientando que, em Portugal, "os acordos de empresa são negociados em exclusividade pelos sindicatos" e que "todas as empresas estão obrigadas a cumprir que qualquer contratação coletiva é emanada dos sindicatos e das administrações", o líder da UGT questiona: "Porque é que a Autoeuropa não há de copiar exatamente o mesmo modelo?".

"Valeu a pena esta espera e valeu a pena dar aos trabalhadores e à Comissão de Trabalhadores [CT] todas as condições para chegar ou não a acordo. Neste momento continua a não haver acordo, então é a nossa vez de tentarmos também resolver o problema e dirimir o conflito", sustentou.

De acordo com Carlos Silva, o que a UGT pretende é "por água na fervura" numa situação de conflito gerada por uma "tentativa de assalto ao poder" após a saída de António Chora, que durante mais de 20 anos liderou a CT da Autoeuropa com um "carisma" que "garantiu a negociação entre a administração e a comissão de trabalhadores".

"Há quem tente ultrapassar o princípio da estabilidade para garantir a luta pelo poder. Nunca aconteceu isto durante 20 e tal anos porque a CT era coesa e o líder era forte, [mas] quando as lideranças são fracas ou as pessoas não têm o carisma que teve o seu antecessor as coisas não correm bem", disse.

Neste contexto, disse, a Autoeuropa aproveitou "o descalabro e este conflito entre os trabalhadores" para tentar "dividir para reinar" e "ganhar peso, impondo unilateralmente uma matéria que devia ter sido negociada".

Segundo o líder da UGT, "a maioria dos trabalhadores da Autoeuropa querem o seu local de trabalho e a sua estabilidade, querem paz social e querem os salários": "Não se importam de trabalhar ao sábado ou até ao domingo, porque está prevista na lei portuguesa a laboração contínua, querem é ser remunerados. Ora a Autoeuropa tem é que pagar em função daquilo que, efetivamente, os trabalhadores têm que prescindir da sua vida pessoal", sustentou, recusando a pretensão da empresa de remunerar o trabalho ao fim de semana "como se fosse um dia útil".

"A Autoeuropa é uma empresa de capital alemão que tem um grande pendor na economia portuguesa, que tem muitos postos de trabalho, e tem uma capacidade financeira e económica sobejamente forte para poder pagar bem", considerou.

Desejando que o processo negocial na Autoeuropa "não se arraste muito no tempo", mesmo que uma recusa da empresa em negociar um acordo coletivo venha a implicar a conciliação do Ministério do Trabalho, Carlos Silva salienta que "aquilo que a administração deverá perceber é que, da parte dos sindicatos da UGT, os contratos de trabalho mantêm a paz social e dão estabilidade".

"Esperemos ter sucesso na Autoeuropa", rematou.

Os trabalhadores da Autoeuropa começaram dia 29 de janeiro a cumprir o novo horário transitório que prevê a obrigatoriedade do trabalho ao sábado e que foi imposto administrativamente pela empresa após a rejeição dos acordos negociados previamente com a CT.

Apesar das garantias dadas pela empresa de que vai pagar os sábados com um acréscimo de 100% em relação ao que paga por um dia normal de trabalho, a CT e o sindicato mais representativo na empresa, o SITESUL - Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Sul, alegam que a Autoeuropa pretende pagar os sábados como um dia normal de trabalho e que isso será demonstrado nos recibos de vencimento de fevereiro.

A Autoeuropa deverá atingir este ano uma produção de 240.00 automóveis, a grande maioria do novo modelo T-Roc, veículo que o grupo alemão Volkswagen pretende construir apenas na fábrica de automóveis de Palmela e que está a ter muito boa aceitação no mercado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.