UGT apresenta dia 22 proposta de Acordo de Empresa à Autoeuropa

Carlos Silva diz que central sindical quer a paz social

A UGT reúne-se no dia 22 com a administração da Autoeuropa para apresentar uma proposta de Acordo de Empresa que garanta o "acervo de direitos dos trabalhadores" e assegure a "paz social", anunciou hoje o secretário-geral Carlos Silva.

"Falei com o Presidente da República na segunda-feira, enviei o pedido de reunião na quarta-feira - porque tive que articular a minha posição com o Sindel [Sindicato Nacional da Indústria e da Energia], que é o nosso sindicato - e na quinta-feira recebemos a resposta da Autoeuropa com reunião marcada para dia 22 de fevereiro, da parte da manhã", adiantou o líder da central sindical.

Em declarações aos jornalistas no Porto, à margem de uma conferência sobre 'O Futuro da ADSE', Carlos Silva salientou que a posição da UGT "é garantir que o acervo de direitos dos trabalhadores, de uma vez por todas, fique elencado num contrato coletivo de trabalho, neste caso um acordo de empresa", que também assegure a "paz social" e a "estabilidade" na Autoeuropa.

Salientando que, em Portugal, "os acordos de empresa são negociados em exclusividade pelos sindicatos" e que "todas as empresas estão obrigadas a cumprir que qualquer contratação coletiva é emanada dos sindicatos e das administrações", o líder da UGT questiona: "Porque é que a Autoeuropa não há de copiar exatamente o mesmo modelo?".

"Valeu a pena esta espera e valeu a pena dar aos trabalhadores e à Comissão de Trabalhadores [CT] todas as condições para chegar ou não a acordo. Neste momento continua a não haver acordo, então é a nossa vez de tentarmos também resolver o problema e dirimir o conflito", sustentou.

De acordo com Carlos Silva, o que a UGT pretende é "por água na fervura" numa situação de conflito gerada por uma "tentativa de assalto ao poder" após a saída de António Chora, que durante mais de 20 anos liderou a CT da Autoeuropa com um "carisma" que "garantiu a negociação entre a administração e a comissão de trabalhadores".

"Há quem tente ultrapassar o princípio da estabilidade para garantir a luta pelo poder. Nunca aconteceu isto durante 20 e tal anos porque a CT era coesa e o líder era forte, [mas] quando as lideranças são fracas ou as pessoas não têm o carisma que teve o seu antecessor as coisas não correm bem", disse.

Neste contexto, disse, a Autoeuropa aproveitou "o descalabro e este conflito entre os trabalhadores" para tentar "dividir para reinar" e "ganhar peso, impondo unilateralmente uma matéria que devia ter sido negociada".

Segundo o líder da UGT, "a maioria dos trabalhadores da Autoeuropa querem o seu local de trabalho e a sua estabilidade, querem paz social e querem os salários": "Não se importam de trabalhar ao sábado ou até ao domingo, porque está prevista na lei portuguesa a laboração contínua, querem é ser remunerados. Ora a Autoeuropa tem é que pagar em função daquilo que, efetivamente, os trabalhadores têm que prescindir da sua vida pessoal", sustentou, recusando a pretensão da empresa de remunerar o trabalho ao fim de semana "como se fosse um dia útil".

"A Autoeuropa é uma empresa de capital alemão que tem um grande pendor na economia portuguesa, que tem muitos postos de trabalho, e tem uma capacidade financeira e económica sobejamente forte para poder pagar bem", considerou.

Desejando que o processo negocial na Autoeuropa "não se arraste muito no tempo", mesmo que uma recusa da empresa em negociar um acordo coletivo venha a implicar a conciliação do Ministério do Trabalho, Carlos Silva salienta que "aquilo que a administração deverá perceber é que, da parte dos sindicatos da UGT, os contratos de trabalho mantêm a paz social e dão estabilidade".

"Esperemos ter sucesso na Autoeuropa", rematou.

Os trabalhadores da Autoeuropa começaram dia 29 de janeiro a cumprir o novo horário transitório que prevê a obrigatoriedade do trabalho ao sábado e que foi imposto administrativamente pela empresa após a rejeição dos acordos negociados previamente com a CT.

Apesar das garantias dadas pela empresa de que vai pagar os sábados com um acréscimo de 100% em relação ao que paga por um dia normal de trabalho, a CT e o sindicato mais representativo na empresa, o SITESUL - Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Sul, alegam que a Autoeuropa pretende pagar os sábados como um dia normal de trabalho e que isso será demonstrado nos recibos de vencimento de fevereiro.

A Autoeuropa deverá atingir este ano uma produção de 240.00 automóveis, a grande maioria do novo modelo T-Roc, veículo que o grupo alemão Volkswagen pretende construir apenas na fábrica de automóveis de Palmela e que está a ter muito boa aceitação no mercado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.