UGT acusa sindicato da CGTP de "enorme irresponsabilidade" na Autoeuropa

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, acusou hoje o sindicato da CGTP que marcou a greve na Autoeuropa de "enorme irresponsabilidade" e sublinhou que o diálogo e a negociação devem ser o caminho a seguir na empresa.

A acusação do líder da central sindical foi feita durante uma conferência de imprensa onde foram apresentadas as reivindicações da UGT para 2018.

"É uma enorme irresponsabilidade o sindicato da CGTP [SITE-Sul] ter avançado daquela forma para uma greve", disse Carlos Silva defendendo que antes da convocação da paralisação, que ocorreu em 30 de agosto, "devia ter havido um esforço de negociação" e de perceber se havia disponibilidade da administração.

De acordo com o secretário-geral da UGT, "quando houve disponibilidade, a greve já estava convocada e não havia nada a fazer".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.